10º Domingo do Tempo Comum

Mc 3,20-35

Quem faz a vontade de Deus,
esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe

As pessoas simples do povo se aglomeravam ao redor de Jesus para ouvi-lo. Certo dia, havia tanta gente que não sobrava nem tempo para comer.

1) “Quando os parentes de Jesus souberam disso, saíram para puxá-lo pra casa, porque diziam que estava fora de si.”( seria um louco). Dizia-se dele em sua família: “É um exaltado…tornou-se louco… perdeu a cabeça…”. Quanta diferença com aquela vida tranquila de muitos anos em Nazaré! A família de Jesus e seus parentes não ignoravam que ele era “malvisto” pelas autoridades religiosas. Então vão para recuperá-lo e fazê-lo voltar à ordem.

Será melhor fazer passá-lo por doido que deixar que o matem. As primeiras respostas das pessoas à questão fundamental sobre quem é Jesus foi dada pelos seus parentes que diziam que Ele é um louco, está fora de si, é um que põe em descrédito toda a família.Então a melhor coisa a fazer é segurar Jesus em casa. Mas Ele,deixando de lado seus interesses e da família, se posiciona com os excluídos e últimos fazendo-se advogado dos marginalizados e daqueles que não contam,fazendo-se advogado das causas perdidas.

Seus familiares percebiam que essa atitude de Jesus iria acabar mal. Estamos dispostos a acolher as vocações um tanto “loucas”, arriscadas, não razoáveis de acordo com as boas prudências humanas? Porque será que nós cristãos seguimos as normas habituais do mundo, nos negócios, nas ações nas questões de conduta pessoal ou coletiva? Teremos a coragem de seguir Jesus, parecendo-nos um pouco “loucos”colocando-nos do lado dos excluídos?

2)Além de Jesus ser taxado de estar fora de si, ser um louco, havia uma opinião muito mais grave: “ele está possuído”! Inicialmente os judeus o difamavam de fazer aliança com o demônio; agora superam até essa acusação infame e o declaram “endemoniado”.

Essa passagem do evangelho nos mostra a calúnia, a maledicência, a falsidade, a lama moral e espiritual que são jogadas sobre alguém. A difusão da calúnia, da falsidade é tão forte que consegue penetrar até nas mentes das pessoas mais humildes e dos próprios familiares. Ela não poupa ninguém.

Calúnia, falsidade, mentira são armas mortíferas, sempre atualizadas pelo diabo. É suficiente esse veneno infernal, resistente a tudo para destruir a obra de Deus.A finalidade é tornar a pessoa não credível, não confiável. E se tal veneno não for suficiente, então as pessoas apelam para a eliminação física.

Ninguém negava a autenticidade dos milagres de Jesus.Mas diziam que seu poder vinha de Satanás , chamado de belzebu (Baal-zebu: o senhor Deus do estrume). “Então Jesus os chamou e falou-lhes: ‘Como é que Satanás pode expulsar a Satanás? Jesus mostra que tem consciência de ser “mais forte” que Satanás!

3) O que é o pecado contra o Espírito Santo que é imperdoável? É a obstinação voluntária no mal, é o não querer ser perdoado. Deus não condena ninguém; Deus perdoa tudo a todas as pessoas. Mas não é possível perdoar a quem não aceita o perdão. E podem existir pessoas que se fecham a esse perdão: é a “blasfêmia contra o Espírito Santo”.

Deus perdoa, mas alguns recusam esse perdão: isso deve ser o inferno. Quem se condena ao inferno, não quer sair dele. Mas se o quisesse seria imediatamente salvo por esse Deus que “perdoa todos os pecados e blasfêmias”. Não devemos nos perguntar: “Eu sou pecador?”. Porque todos somos pecadores. Mas a pergunta deve ser:”Eu aceito e acolho o perdão de Deus?

4)”Nisso chegaram sua mãe e seus irmãos.” A palavra “irmão”, em hebraico, é usada para designar irmãos ou primos. Foram até Jesus na tentativa de recuperá-lo.”Ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo.Havia uma multidão sentada ao redor dele.Então disseram:’Tua mãe e teus irmãos estão lá fora à tua procura” “Ele respondeu: Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos? E olhando para os que estavam sentados ao seu redor ,disse: ‘Aqui estão minha mãe e meus irmãos. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão,minha irmã e minha mãe.”Jesus com essa resposta não está renegando a própria família mas incluindo todos os presentes na sua família de origem que amava de todo coração.

Fazer a vontade de Deus-Pai é a obsessão de Jesus. Jesus é um apaixonado… apaixonado por Deus! Quem ama a Deus é sua família,única e verdadeira. Nesse sentido Maria é duplamente sua mãe: mãe fisicamente e mãe porque sempre fazia a vontade de Deus. Sua verdadeira grandeza era fazer a vontade de Deus.

Alguém disse certa vez: “somos seus irmãos quando fazemos a vontade de seu Pai que está nos céus. Somos suas mães quando o carregamos no coração e no corpo com amor e com pura e sincera consciência, e quando o gestamos através de boas obras que devem resplandecer aos outros como exemplo,como luz.

Todo homem e toda mulher que cumpre a vontade de Deus começa a fazer parte de sua imensa Sagrada Família, cujos membros não são somente a Mãe Maria e o pai José, mas também todos os seus irmãos e todos os santos e mártires de todos os tempos.

5)Não está escrito o que aconteceu depois que Jesus pronunciou estas palavras à multidão ao seu redor, mas podemos imaginar que Jesus se levantou apressadamente e foi ao encontro de sua família sorrindo, abraçando a Mãe e seus primos, oferecendo um exemplo materialmente visível daqueles bens invisíveis de que gozarão todos os que fizerem a vontade de Deus.

23 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).