Contra o egoísmo

“Não seja egoísta”. Essa frase foi dita pelo papa Francisco em sua visita ao México, quando um rapaz o puxou pela mão desequilibrando o pontífice, que quase caiu sobre as pessoas. Pode até parecer que foi um gesto de carinho do rapaz, como também uma vontade de estar próximo, enfim a ação dele foi levada pela emoção e pegou o papa desprevenido, cuja reação humana foi repreender, dizendo: “Isso não se faz. Você não pode ser egoísta”.

Quem sabe em outra ocasião, menos cansado, com mais disposição o papa teria reagido de forma diferente. Vendo o vídeo, o seu rosto se transfigurou de forma bem irritada. Como disse o seu Porta Voz, Francisco foi extremamente humano, reagiu como qualquer um reagiria nesta circunstância. Eu, particularmente, gostei de ver um homem de Deus carrancudo, irritado, humano demais, normal como qualquer ser humano.

Aprendi com este episódio, que apesar de todas as coisas maravilhosas da vida, daquilo que somos e fazemos com alegria e bom humor, existem momentos em que acontecem coisas que nos desequilibram, nos tiram do sério. Nem sempre estamos preparados, e nem mesmo sabemos como se preparar para as surpresas da vida de cada dia. Tenho certeza que o papa não guardou raiva nem ressentimentos. Não faço ideia do que passou no coração daquele jovem. São duas pessoas que se encontram com tanto afeto que se machucam. Entendemos que tudo que é exagerado pode fazer mal, e estragar a amizade. A nossa capacidade de amar tem limites e impõe uma atitude de equilíbrio constante.

Em tempos de Quaresma, Ano Santo, vida do dia a dia, quando perdemos a paciência, quando pensamos só em nós mesmos, quando exageramos no comer e no beber, quando tratamos mal as pessoas mais próximas, quando criticamos fazendo julgamentos errados, quando queremos ser donos da verdade, quando dizemos palavrões, ou fofocas que matam o outro, enfim,  como faz bem alguém estar ao nosso lado e dizer : “Isso não se faz. Não seja egoísta”. Não se pode fazer de conta que não viu ou que não escutou, pois a omissão é o pecado que mais faz mal a si próprio e aos outros. A falta de coragem em ajudar, em corrigir, em dizer a verdade faz com cresçam sempre mais os egoístas e prepotentes. A prática da correção fraterna, que nas primeiras comunidades, e ainda hoje em comunidades que procuram viver o evangelho radicalmente, vivem e fazem, resolveria muito da hipocrisia e falsidade com que  vivemos o nosso cristianismo.

Que esse tempo quaresmal, que a vivência do “Ano Santo da Misericórdia”, nos provoque a um processo lento, mas progressivo de mudança de nossos vícios, de nossas manias e comportamentos não cristãos. “Esse é o tempo favorável, esse é o dia da Salvação”, nos diz o profeta. Será que vamos ter outra Quaresma, outra oportunidade para nos aproximar da salvação como temos agora?

Talvez, seja a última e a única oportunidade para colocar a Palavra de Deus em prática, e fazer uma verdadeira conversão pessoal. Eu também estou neste caminho, e busco cada dia na oração, na meditação da Palavra, na Eucaristia, no amor a cada um que encontro, a graça de Deus para ser cada vez melhor, mais humano e mais cristão. Que meu anjo da guarda, que pode ser você, esteja ao meu lado sempre para dizer: “Isso não se faz. Não seja egoísta”.

Dom Anuar Battisti
Arcebispo de Maringá (PR)

Fonte: CNBB

COMPARTILHAR
Departamento de comunicação