3º Domingo da Quaresma

Ev Jo 4, 5-42

“Quem beber da água que eu lhe darei, esse nunca mais terá sede. E a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água quer jorra para a vida eterna” (Jo 4, 14).

O terceiro domingo da Quaresma nos traz esta experiência rica do encontro da samaritana com Jesus. A leitura igualmente se relaciona com o texto proclamado na primeira leitura, quando o povo de Deus passa pela experiência da falta de água em sua caminhada com Moisés pelo deserto rumo à Terra Prometida. Ao povo, Deus permitiu saciar sua sede pelo toque da vara de Moisés na montanha rochosa do Horeb. À Samaritana, é o próprio Jesus Cristo que se revela como a fonte de água viva e permite a ela fazer este encontro profundo que lhe transformou sua vida e fez dela alguém capaz de anunciar a seus conterrâneos a pessoa de Jesus.

A espiritualidade quaresmal nos propõe a retomada do sentido do nosso Batismo. Pela água do Batismo nós nos tornamos filhos e filhas de Deus. As pessoas se preparavam durante a Quaresma para serem batizadas na Vigília Pascal ou renovar as promessas batismais. É muito aconselhável que em nossas Paróquias este costume possa continuar, seja para o Batismo de adultos, como também para crianças. Porque a Páscoa é o momento da vida nova recebida através da Ressurreição do Senhor Jesus. O Batismo é dom gratuito. Pela água do Batismo o cristão poderá nascer para o verdadeiro sentido da vida em Deus e, permanecendo nela encontra a salvação. Por isso, Tertuliano nos diz: “Nós, peixinhos conformes o nosso Ichtys Jesus Cristo nascemos na água e só nos salvamos permanecendo na água”.

Uma vez reconhecida a graça especial que recebemos pelo sacramento do Batismo, a Igreja espera de nós uma atitude semelhante à da mulher samaritana. Ela teve seu encontro pessoal com Jesus à beira do poço de Jacó. A partir daquele momento ela partilha sua experiência com as pessoas de sua cidade. Por isso que se espera de nós que somos batizados que assumamos a responsabilidade de sermos missionários. Há muitos que ainda não conhecem Jesus Cristo. É nossa missão fazê-lo conhecido! O tempo da Quaresma é o momento de realizarmos com coerência e convicção nossas atividades pastorais nas comunidades em que vivemos. Mas só conseguiremos viver esse compromisso batismal se rezarmos todos os dias como a samaritana: “Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede”.

Texto: Dom Célio de Oliveira Goulart – Bispo Diocesano

Atualização: Padre Vinícius Idefonso Campos

COMPARTILHAR
Departamento de comunicação