4º Domingo da Quaresma

Ev Jo 9, 1-41

“Vai lavar-te na piscina de Siloé. O cego foi, lavou-se e voltou enxergando” (Jo 9, 7)

A passagem do evangelho do domingo narra o milagre operado por Jesus a um cego de nascença. São muitos os detalhes da narrativa. O homem é pobre. Jesus o vê. Cospe no chão. Faz lama com sua saliva e a coloca nos olhos do cego. Depois o envia à piscina de Siloé, para lavar seus olhos. Ele começa a enxerga. Os judeus ficam admirados com o acontecido. Os fariseus recriminam o cego e seus pais, por ser aquele dia o sábado. Tanto o que era cego como seus pais de modo muito sereno explicam o que Jesus mandara fazer e o que fora cego reconhece em Jesus um grande profeta e não tem receio de dar testemunho sobre a pessoa de Jesus. Por isso foi expulso do meio deles. Mas. Encontrando-se com Jesus, não tem medo de professar a sua fé e prostrar-se diante d’Aquele que lhe deu a graça da visão.

A temática do domingo é como que uma continuidade da catequese batismal iniciada no terceiro domingo da Quaresma, com o encontro da Samaritana com Jesus. Ela recebe de Jesus a água para uma vida nova. O cego recebe de Jesus a graça de poder enxergar. Seus olhos se abrem e ele pode contemplar diante de si o Messias e Salvador esperado pelo povo de Israel. Torna-se igualmente um seguidor de Jesus Cristo.

O bom Mestre já nos disse um dia: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não anda nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12). Daquele que confia em Cristo, que se entrega sem reserva, só se pode esperar luz e calor, pois ele se deixa penetrar pelos raios de um Deus amoroso, mas não retém tal luz só para si, ele a espalha a todos os que estão à sua volta. O homem, que enxerga o seu Senhor, é esse capaz de ser luz no mundo, de buscar propagar cada vez mais o Reino de Deus entre os homens, e eles, ao verem as obras dos homens de luz, glorificam o Pai do Céu.

O Batismo em nossa Igreja é o momento em que podemos abrir nossos olhos para vermos tudo com o modo de olhar de Jesus. E o tempo da Quaresma, propondo-nos a experiência de uma sincera conversão, será ocasião para olharmos o mundo com o olhar do Senhor Ressuscitado. O seu olhar é de compaixão, de compreensão, de perdão… É este olhar que Ele nos pede sobre as pessoas de nossa convivência diária na família, no ambiente de trabalho, na comunidade. Esta será a nossa missão de cristãos batizados: fazer com que outros possam também enxergar com o olhar de Jesus Cristo!

“Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e sobre ti Cristo resplandecerá” (Ef 5,14)

Texto: Dom Célio de Oliveira Goulart – Bispo Diocesano

Atualização: Padre Vinícius Idefonso Campos

COMPARTILHAR
Departamento de comunicação