Catequese junto a crianças com deficiência: um despertar para o ser catequista

No início de 2016 recebi um convite, mas que isso, recebi a missão de ser catequista junto às crianças da APAE. Eram quatro os catequizandos que deveriam se preparar para a Primeira Eucaristia. Confiaram a mim essa missão por eu ser psicóloga e, com certeza, acreditavam que seria esse o diferencial naquele trabalho. Aceitei o convite com carinho e dedicação e teve início uma caminhada cativante de mútuo conhecimento, partilha e confiança. As expectativas dos professores e colegas catequistas eram enormes e senti medo. O que fazer e como fazer para responder à altura tamanhas expectativas?

As respostas surgiram no contato com os pais, mães e com os próprios catequizandos, mediante seu desejo de desenvolver a fé e o conhecimento acerca de Deus. Ali não teve espaço para nenhuma técnica especial de ensino, pois eles não necessitavam de mim como psicóloga. Eu deveria ser simplesmente catequista.

Os encontros eram preparados com passagens bíblicas, orações e histórias, mas sua construção acontecia na sala destinada à catequese, com a participação de cada um. Eles traziam suas imagens e experiência de Deus, da família, do mundo e da vida. Nesse contexto a fé na presença de Jesus na Eucaristia veio sendo cultivada aos poucos e pôde desabrochar de modo muito natural e simples. Para eles um Deus poderoso e cheio de amor, capaz de vir ao mundo como um de nós, poderia ficar em um pedaço de pão para nos alimentar. E a razão disso é simplesmente a bondade Divina.

Esse processo catequético junto à crianças com deficiência me possibilitou compreender na pratica que são inúmeros os modos de aprender e que o essencial de uma catequese é a capacidade de vivenciar junto aos catequizados aquilo que ensinamos a eles. Mas de modo muito particular, passo a ter a convicção de que o maior desafio de qualquer catequese, seja ela para adultos, jovens ou crianças em qualquer condição, será sempre tonar-se catequista, simplesmente catequista.

COMPARTILHAR
22 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).