Católicos guardam pão bento no dia de Santo Antônio como sinal de fartura

Fotografia: Pascom Tiradentes

Centenas de devotos participam das missas que estão sendo realizadas em vários horários nesta terça-feira, 13, em Paróquias da Diocese de São João del-Rei. Celebrando a festa de Santo Antônio de Pádua, os fiéis vão às igrejas, fazem pedidos, agradecem os já realizados e aproveitam para levar o “pão bento” para casa. A tradição diz que este pão representa a fartura para quem o guarda junto com os alimentos.

“Eu pego para colocar nas latas de mantimento. Aprendi com minha avó que Santo Antônio protege a dispensa e não deixa faltar alimento na casa”, explica Rosimeire Rios que deposita o alimento dentro das latas de arroz e feijão.

Aos 67 anos, Antonieta Carvalho vê no alimento abençoado como símbolo de proteção contra doenças graves. “Aprendi que quem comia um pedaço do ‘pãozinho de Santo Antônio’ com muita fé, ficava livre de doenças” , destaca.

Assim como Antonieta, Menaide Teixeira tem muita fé na intercessão do santo. Devota, a são-joanense acordou bem cedo para participar da missa na capela, no centro da cidade. “A fé é que me leva acreditar na intercessão deste grande Santo, que deixou o exemplo de caridade e força no anúncio e na prática do evangelho. Eu coloco um pedaço de pão nas latas de mantimento. Peço à Santo Antônio que interceda junto ao Pai para que nunca falte o alimento na minha mesa e a partilha do pão em todas as mesas”.

E tem todo um processo diante do alimento abençoado. “Eu divido o pão em pedaços e dou a todos da minha família. Peço à Santo Antônio sua intercessão para que nunca falte o pão alimento espiritual, o trabalho, a união e o amor fraterno”, explica Teixeira.

Sobre o início dessa devoção, padre Roberto Carneiro explica que vem da própria história de vida do santo e de seus gestos de bondade com os pobres. “Santo Antônio era muito misericordioso em relação aos mais vulneráveis da sociedade. Ele tinha verdadeira compaixão para com os pobres. Comovia-se tanto com a pobreza que, certa vez, distribuiu aos pobres todo o pão do convento do qual fazia parte.  O frade padeiro ficou em apuros, quando, na hora da refeição, percebeu que os demais frades não tinham o que comer: os pães tinham sido roubados. Melhor dizendo, sumiram todos. Assustado com o ocorrido, o frade padeiro foi contar a Santo Antônio o ocorrido. Este mandou que verificasse melhor o lugar em que os tinha deixado. O frade padeiro voltou assustado e alegre, os cestos transbordavam de pão, tanto que foram distribuídos aos frades e aos pobres do convento”, relata.

Até hoje na devoção popular o “pãozinho de Santo Antônio” é colocado, pelos fiéis , com a fé de que, assim, nunca lhes faltará o de que comer.

Igreja no centro de São João del-Rei recebeu devotos do santo desde as 07 horas da manhã para fazer orações, pedidos e agradecimentos.

Festejos ao santo

Na Diocese de São João del-Rei, são várias as Paróquias que promovem festejos em honra ao santo. Padroeiro das paróquias de Tiradentes, Itutinga e Lagoa Dourada, Santo Antônio recebeu diversas homenagens, procissões e celebrações de missas.

Em Tiradentes houve Missa na Matriz, celebrado pelo pároco, padre Ademir Longatti, seguida de procissão pelas ruas da cidade. Os famosos pãezinhos foram abençoados e repartidos ao término da programação.

Na cidade São João Del-Rei, comunidades paroquiais também alteram suas programações para celebrar a data.

COMPARTILHAR
22 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).