Diabetes mellitus e o combate através do esporte

Vivemos em um mundo cada vez mais globalizado com tecnologias inovadoras que nos deixam reféns delas na maior parte do tempo, com isso acarretamos várias doenças, principalmente a diabetes mellitus, pois com o sedentarismo, acumulamos energia e não as gastamos, e o sobrepeso e a obesidade são fatores que antecedem a hiperglicemia que são vilões na vida dos diabéticos.

No desdobramento desta sistematização surgiram algumas perguntas que contribuíram para sua edificação: Será que exclusivamente as aulas de Educação Física contribuem com os aspectos positivos dos portadores de diabetes? As escolas estão estruturalmente prontas para receberem alunos com tais singularidades? Os professores de Educação Física tem conhecimento desta patologia?

Antes de responder essas perguntas, precisamos compreender esta patologia. É preciso descrever e explicitar a diabetes para alunos diabéticos e não diabéticos. Pois quando conhecemos as dificuldades do próximo, começamos a compreendê-los.

Diabetes é quando o pâncreas “não produz” suficiente o hormônio chamado insulina, esses aminoácidos são essenciais para captar o açúcar no sangue e transformar em glicose e armazenar nas células em glicogênio sob a forma de energia que nosso organismo necessita para manter a vitalidade do corpo.

É importante ressaltar que além da atividade física, existem outras bases que auxiliam na prevenção e no tratamento da diabetes mellitus. Pois no âmbito escolar é onde os estudantes ficam algumas horas afastados do lar e com isso aumentam a preocupação dos pais com relação a alimentação adequada, aplicação de insulina quando necessário, o intervalo de se alimentar corretamente e fazer uso de medicamentos nos horários de aula. A instituição deve estar preparada para atender todas as especificidades dos alunos, inclusive a diabetes mellitus.

O exercício físico continua sendo um tratamento e/ou prevenção com vários aspectos positivos, como a ludicidade, custo e benefício, além de promover à saúde. É dever do profissional de Educação Física compreender a diabetes para saber tomar decisões quando necessário. Pois o aluno deve estar com os níveis de insulina controlados no sangue antes de fazer qualquer atividade física.Todavia as aulas de Educação Física vão muito além das fronteiras do movimento corporal, pois a mente e o corpo são inerentes, precisamos pensar antes de movimentarmos. Sendo assim, os exercícios físicos podem ser específicos para cada tratamento de algumas patologias, inclusive para diabéticos. Embora as atividades físicas potencializam sua eficácia através de alimentação saudável, em certos casos os fármacos também auxiliam nas práticas.

A instituição precisa estar preparada para atender todas as particularidades dos seus alunos, inclusive na área da alimentação adequada para os portadores de diabetes. Todavia as escolas precisam de um local específico para aplicar insulina nos alunos diabéticos quando necessário.

Entretanto é válido pesquisar mais sobre o tema diabetes mellitus no ambiente escolar, pois este assunto é repleto de curiosidades e está sempre em constante evolução.

 

Referências

BIAGI, F. Relações entre a atividade física e o Diabete Mellitus: uma revisão conceitual. 2001. 61 f. Monografia (Graduação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas –SP.

MANOEL, R.F. O diabetes e as aulas de Educação Física. 2014. 39 f. Monografia (Graduação) – Universidade de Brasília, Polo Duas Estradas – PB.

COMPARTILHAR
22 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).