Domingo de Ramos e Paixão do Senhor

Ev Mt 27, 11-54

“Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?… Então Jesus deu outra vez um forte grito e entregou o espírito.”(Mt 27, 46.50).

Com a celebração do Domingo de Ramos iniciamos a Semana Santa. É chegada sua hora, ou seja, em que o Filho do Homem será glorificado. Mas, não será como muitos esperam, através da elevação gloriosa. Lembrem-se: “Se o grão de trigo, que cai na terra não morrer, permanecerá só; mas se morrer, produzirá muito fruto” (Jo 12,24).

A narrativa da Paixão de Jesus é conforme o evangelista Mateus. Ele nos apresenta detalhes muito importantes para entendermos este momento pelo qual Jesus, em sua experiência humana, teria passado. Despede-se de seus apóstolos em uma ceia pascal, onde também institui a Eucaristia. Propõe aos discípulos a seguirem também os seus passos no sofrimento. Faz sua oração no horto das Oliveiras, onde se coloca inteiramente nas mãos do Pai. É preso, torturado, condenado injustamente à morte pela cruz. Dá a sua vida pela redenção de toda humanidade.

Durante a Semana Santa acompanhamos todo o processo pelo qual passou Jesus: sua condenação, sua paixão e morte e também a sua vitória com a Ressurreição. A Igreja nos propõe assim não sermos expectadores destes acontecimentos, mas sim vivenciarmos como uma profunda experiência de fé. O que significa para nós, para nossa Igreja, para o mundo de hoje celebrar este Mistério da Morte e Ressurreição de Jesus? Queremos atualizar este sentido da bondade de Deus que se lembra de nós, mas que deseja nossa participação neste processo.

Como cristãos somos comprometidos a anunciar o amor de Deus a todos, principalmente para aqueles que estejam sofrendo a exclusão e a marginalização em nossa sociedade. Orientados pelo Papa Francisco e pela Campanha da Fraternidade somos convocados para realizar em nossa vida, uma conversão ecológica. Que saibamos fazer dessa semana em nossas famílias, em nossas comunidades, em nossas cidades, um ambiente favorável para a contemplação e vivência do Mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor Jesus.

“Ó portas, levantai vossos frontões! Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, a fim de que o Rei da glória possa entrar!” (Sl 23,7).

Texto: Dom Célio de Oliveira Goulart – Bispo Diocesano

Atualização: Padre Vinícius Idefonso Campos