Grito dos Excluídos dá voz ao povo no Dia da Independência e pede fim de privilégios

Com o tema “Desigualdade gera violência: basta de privilégio”, ocorreu na última sexta-feira, 07, a 24ª edição do Grito dos Excluídos. Em São João del-Rei o evento reuniu representantes de diversos grupos sociais e religiosos que, saíram pelas ruas do centro histórico, manifestando a indignação contra as desigualdades do país.

O Grito dos Excluídos é um evento de mobilização que começou na década de 1990, animada pela nossa igreja católica, e rapidamente se espalhou para todos os cantos do Brasil e de outros países da América Latina. “Não apenas a igreja, mas também outras entidades, como movimentos populares, sindicatos, partidos políticos, começaram a entender que o dia 7 de setembro deve ser, não apenas um dia de comemoração, mas também deve servir de reflexão para tentarmos entender a realidade de exclusão que a maior parte do nosso povo vive”, explica Leandro Garcez, um dos mobilizadores.

Segundo Leandro, o evento já teve mais força na cidade de São João del-Rei, algo que veio se perdendo com o tempo. Para 2018, um resgate foi trabalhado por parte da equipe. “Fizemos o esforço de resgatar essa tradição de nossa cidade e ficamos muito felizes com o resultado. Conseguimos unir várias gerações. Pessoas que viveram o Grito dos Excluídos no passado e pessoas que nunca haviam participado, mas que já entenderam o quão importante é nos juntarmos para reivindicar uma melhor condição de vida para todos nós”, explica.

E teve novidade diante desse resgate do Grito dos Excluídos. “Não queremos que o Grito seja apenas um evento, que termine no sete de setembro. O Grito dos Excluídos deve ser um processo contínuo de mobilização”, completa.

Para colocar em prática tal ação será realizado no próximo sábado, 15, às 15h, no salão Irmão Sol, um encontro para todos os interessados. Além de avaliar o evento, a reunião servira, ainda, para partilhar ideias e buscar novos projetos e soluções.

23 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).