Monsenhor Juvenal completa 60 anos de vida sacerdotal com grandes comemorações

Muitos de nós podem pensar que a vida de padre pode ser boa. Certo aquele que pensa assim! Mas ao longo dessa caminhada muitos desafios são enfrentados por aqueles que desejam se doar inteiramente aos desígnios do Senhor e assim participar do seu ministério sacerdotal.

Há 60 anos, no dia 1.º de dezembro, um jovem dava o seu sim para o serviço presbiteral. Juvenal Vaz Guimarães Filho, natural de São João del-Rei, era ordenado sacerdote. A sua caminhada começou muito antes deste dia. Ainda adolescente ingressou-se no Seminário Menor de Mariana atendendo um chamado de Deus, em março de 1945. Após sete anos de intenso estudo foi para o Seminário Maior São José em Mariana.

Neste tempo a diocese de São João del-Rei ainda nem fora criada, pertenciam as suas paróquias existentes a arquidiocese de Mariana. Durante muitos anos se dedicou ao preparo do seminário e assim concluindo a sua formação. Na cerimônia o eleito se pôs diante do bispo e dos sacerdotes e pelas mãos de Dom Daniel Tavares Neves foi ungido e assim tornou-se presbítero. A sua primeira missa solene em São João del-Rei aconteceu no dia 12 de dezembro de 1957.

No começo da sua caminhada foi enviado para trabalhar como vigário coadjutor na paróquia de São José Operário, em Barbacena, hoje Basílica de São José Operário. Foi vigário substituto na recém-criada paróquia de São José, em São João del-Rei. Com a criação da Diocese de São João del-Rei, em 1960, foi pároco da paróquia de Sant’Ana, em Barroso-MG no ano de 1963. Exerceu a sua administração até o ano de 1967. No dia 09 de  junho de 1969 foi transferido para a paróquia de São José, em São João del-Rei, tornando-se o quarto pároco e com maior tempo de administração. Se dedicou ao serviço por cerca de 42 anos. Em 15 de março de 2011, se tornou emérito.

Durante a sua caminhada, o Monsenhor Juvenal exerceu diversos serviços na diocese, foi vice-reitor no Seminário São Tiago no biênio 1967/68. Em Abril de 1988 recebeu a nomeação por Dom Antônio Mesquita de Vigário Geral da Diocese ficando na função até Maio de 2007. Com a sede vacante foi eleito Administrador Diocesano até a posse de Dom Waldemar Chaves de Araújo. Além de coordenar alguns movimentos e pastorais. Recebeu o título de Monsenhor e ao longo dos anos tornou-se um grande amigo de várias paróquias não só daqui, mas da arquidiocese de Mariana.

Vésperas
Chegar a 60 anos de presbítero, com certeza é um desafio e por isso se torna uma ação de graças ao Cristo, o Eterno Sacerdote. Desde o dia 1.º de janeiro deste ano, a Paróquia de São José Operário realizou a preparação para o jubileu do Monsenhor Juvenal. Todo primeiro dia dos meses de 2017, a comunidade paroquial se reunia junto ao pároco emérito para celebrar a Eucaristia.

Nas vésperas do grande dia, o povo se colocou mais uma vez em oração e assim participaram do tríduo para o seu jubileu, que começou no dia 28 de novembro e se encerrou no dia 30.

No primeiro dia a pregação foi proferida pelo Vigário Geral da Diocese, padre Dirceu Medeiros. No segundo dia a pregação ficou por conta do pároco da paróquia da Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, padre Geraldo Magela, e no último dia o bispo emérito, Dom Waldemar Chaves de Araújo fez a sua homenagem ao jubilando. Nos três dias de preparação diversos sacerdotes e amigos se juntaram ao Monsenhor pela ocasião da data.

 

Celebrações jubilar

O dia 1.º de dezembro foi marcado por muita alegria. Na Matriz de São José Operário foi celebrada o primeiro dia festivo do Jubileu de Diamante. O povo do Tijuco, amigos e visitantes se reuniram para comemorar. Centenas de pessoas, padres diocesanos e sacerdotes de outras dioceses se fizeram presentes. O pároco, padre Vinícius Idefonso Campos falou sobre o jubilando e da sua dedicação a paróquia de São José ao longo desses 42 anos.

O sábado (02), segundo dia de celebração jubilar, a missa aconteceu na igreja de Santo Antônio do Rio das Mortes. Estiveram presentes os bispos, Dom Célio de Oliveira Goulart, o emérito, Dom Waldemar, e Dom José Eudes, da Diocese de Leopoldina. Além de dezenas de padres diocesanos e seminaristas. Dom Célio falou sobre a importância do presbítero na Igreja e do seu serviço de entrega ao serviço da comunidade.

Encerrando a programação jubilar, no domingo (03), Monsenhor Juvenal presidiu a Santa Missa, na Matriz de Sant’ana do Barroso, primeira paróquia que dirigiu na diocese. Padre Fábio Damasceno relembrou sobre a personalidade e do testemunho do celebrado. Destacou o perfil de oração que Monsenhor sempre mostrou aos irmãos clérigos

Fonte: paroquiadotijuco.com.br

Video: TV Campos de Minas

COMPARTILHAR
Departamento de comunicação