O presépio da fome

Faltavam poucos dias para o natal. Os supermercados tinham suas prateleiras repletas dos mais variados panetones, das mais diversas marcas de biscoitos, das artísticas embalagens de chocolates, dos mais saborosos vinhos e demais artigos alimentícios. Os açougues mostravam em seus congeladores e vitrines os mais variados tipos de carne, tudo envolto naquela poeirinha branca de gelo bem sugestiva do natal europeu, coberto de neve. Até no Mercado Municipal havia mais opções de saborosas compotas e queijos.

Eu estava em minha casa, mais precisamente na cozinha, diante de uma vasilha cheia de talheres em posição vertical para escorrer. Peguei um deles e veio-me de repente a ideia de transformá-lo em uma obra de arte. O que fazer deles? Pensei… pensei e decidi: farei um presépio diferente.

“Mãos à obra”. Da caixa de ferramentas eu trouxe algumas pequenas e poucas. Tomei uma frigideira, fiz diversos furos em seu fundo e fui nela parafusando os talheres. Uma colher de café deitada no fundo da frigideira emborcada era Jesus Menino. Uma colher e um garfo dos lados direito e esquerdo se transformaram em Maria e José. Três outros talheres fixados em fila se tornaram os três magos. Enquanto os fixava ia eu pensando na multidão de gente faminta, subnutrida e doente neste nosso planeta.

Terra fértil para ser plantada existe e braços para semear também. Mas a injustiça social gera a falta do essencial para o sustento… Há preguiça? Será mais fácil estender a mão para pedir que arregaçar as mangas para trabalhar? É tudo tão complexo!… Se divido meus bens aos pobres, me transformo num deles e não soluciono o problema… Novamente pensei… e pensei. E concluí a mensagem. É como dizia a Beata Madre Teresa de Calcutá: – “Faço o que posso. O resto, não é comigo”…

Pronto. Minha obra estava pronta. Totalmente despojada, simples e pobre. Não possuía nenhuma beleza mas era para mim rica de significados; interrogações, preocupações, desolações. Parei. Contemplei-a.

Se você tivesse que dar um nome à esta obra, que nome daria?… Eu dei a ela o nome de “Presépio da fome”.

COMPARTILHAR
22 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).