Saiba como praticar a Lectio Divina, a leitura orante da Bíblia

Já ouviu falar em Lectio Divina? É uma forma de leitura orante da bíblia que tem o objetivo de gerar um envolvimento amoroso com Deus através da Sagrada Escritura. Um caminho formado por quatro passos: leitura, meditação, oração e contemplação. Através desses passos, entra-se em uma relação de conhecimento e reconhecimento de Deus.

Muito praticado pelos cristãos, o método, segundo padre Vinícius Campos, pároco da Paróquia São José Operário, “debruçar-se sem pressa para ouvir a voz do Senhor”. Para o sacerdote, “não se trata apenas de uma leitura para matar curiosidades, obter informações, mas sim, crescer cada vez mais na fé, fortalecendo o espírito, mas, um convite a abrir o coração para a escuta atenta da voz do Senhor”.

A Leitura Orante é um instrumento que ajuda a caminhar a partir da Palavra de Deus, orientando e dando força para dizer com mais confiança: “Fala, pois teu servo ouve” (1Sm 3,10). Isso porque “quem escuta a Palavra de Deus assume a força de Deus. E aceita não só o seu modo de ver, mas também o seu poder de transformar”, destaca o saudoso Dom Paulo Evaristo Arns, que pastoreava na Arquidiocese de São Paulo.

No exercício da Leitura Orante é proposto quatro etapas: leitura, meditação, oração e contemplação. Assim, se trilha um itinerário espiritual de encontro cada vez mais profundo com Deus. Veja abaixo a explicação dada por padre Vinícius Campos:

 

A Leitura: O primeiro passo é ler o texto bíblico, reler quantas vezes for preciso, com calma, conhecer bem o que está escrito. É preciso ler o texto sagrado com respeito, sem atropelos, sem precipitadas interpretações. Durante a leitura é preciso estar atento às palavras, repetições, personagens, lugar, modo como foi escrito. Assim, na leitura atenta, sem presa descobriremos, neste primeiro passo, o que o texto diz em sim mesmo.

 

A meditação: No segundo passo é preciso seguir o exemplo que desde os primeiros séculos do cristianismo os monges nos oferecem: meditar a Escritura sagrada, ou seja, “ruminar”. Aqui se trata de parar, tirar um tempo para perceber os toques de Deus. Meditar não é ler, mas sim abrir o coração à escuta. A meditação leva a compreender a palavra no hoje da história, na própria vida, dentro da realidade em que se está inserido.

 

A oração: A meditação leva ao terceiro passo, a oração. Ao meditar a Escritura sagrada vai se entrando cada vez mais em um relacionamento amoroso e gratuito com Deus, assim, vai surgindo a oração. Diante do texto vai surgindo uma oração pessoal que acaba desembocando em uma oração comunitária. Pois, quem reza a Palavra se compromete, sente junto com os outros. A oração fortalece a caminhada de fé.

 

A contemplação: No quarto passo chega-se a contemplação que não é algo intelectual, alucinação, desequilíbrio. Quem contempla se compromete, de fato, com os valores do Reino, tem um novo modo de ver e se comportar no mundo. A contemplação leva a um equilíbrio interior, um encontro com Deus que gera um verdadeiro testemunho uma atitude continuada no dia-a-dia por uma ação transformadora.

 

Para aqueles que pretendem aderir a pratica, o recado é simples: “Não tenha medo de escutar e colocar em prática esta Palavra, não invente desculpas para fugir dela, pois ‘a Palavra está muito perto de ti: está na tua boca e no teu coração, para que a ponhas em prática’ (Dt 30,14). Que a Palavra do Senhor seja a luz a iluminar e oferecer um colorido novo para a sua vida. Escancare o seu coração para acolher esta Palavra eterna”, enfatiza padre Vinícius.

COMPARTILHAR
22 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).