“Sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”

“Tú és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja” (Mt 16,18). Com essas acachapantes palavras Nosso Senhor Jesus Cristo lança bases sólidas e raízes profundas ao primado da Igreja. A pedra pela qual o povo de Deus seria configurado à fraga angular, permanece ininterruptamente, por séculos transponíveis, à frente da turba que alardeia passos de esperança pelas estradas do mundo sinalizando a proposta do Reino de Deus.

Ao celebrar a solenidade de São Pedro e São Paulo, grandes colunas da Igreja, celebramos também o dia de orações pelo Santo Padre, o Papa. Como São Pedro recebeu do próprio Cristo o múnus de dirigir as primícias da Igreja, hoje, após uma linha sucessória de 265 papas, o Papa Francisco tem a missão de timonar a nau da Igreja nestes tempos. Segundo a Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II, “o Romano Pontífice, como sucessor de Pedro, é o perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade quer dos Bispos quer da multidão dos fiéis” (LG 23). No grau mais elevado do Sacramento da Ordem, o Santo Padre é um Bispo que preside a todos os Bispos do mundo, quer na diligência pela Igreja, quer na Caridade, e é responsável por manter uma unidade de fé entre todos os fiéis católicos.

O Espirito Santo, prometido pelo Cristo e enviado como paráclito para a Igreja, dispensa uma contínua assistência ao Sumo Pontífice que, em suas decisões e orientações, direciona, a Igreja peregrina, para certames deste mundo que prefiguram a eterna bem-aventurança celestial. Por isso a Igreja toda é chamada a se unir em prece pelo Papa, suplicando ao Senhor da messe que disponha os dons necessários e a força permanente para que o sucessor de Pedro possa sempre estar pronto a dizer palavras acertadas, decidir incondicionalmente pela caridade e agir permanentemente pelo amor ao próximo.

Papa Francisco vem desempenhando com esmero e carinho este múnus especial em nossa Igreja. Desde março de 2013, quando aconteceu o conclave que o elegeu Bispo de Roma e chefe supremo da Igreja, ele vem demonstrando que a maior força é a do amor e o maior serviço é o da misericórdia. Com uma simplicidade que fende os protocolos, ele consegue chegar ao povo através de uma linguagem objetiva e simples, sem muitas implicações formais, mas de grande relevância para a teologia e para a pastoral dos tempos hodiernos. Sério e consistente em suas decisões diante dos argutos fanfarrões que alardeiam mensagens falsas e de pensamento dúbio, o Papa Francisco com muita coragem e sabedoria continua a orientar o povo de Deus para o caminho do Evangelho e dos ensinamentos da doutrina.

Confiantes na bondade do Senhor temos a inexorável confiança de que a nossa Igreja será sempre guiada pelas cuidadosas mãos de homens escolhidos e assistidos diretamente pelo nosso Deus. Nesta certeza podemos nos abandonar nas laboriosas mãos daqueles que são guiado pelo Espirito Santo e que tem como intercessores no céus os Santos Apóstolos escolhidos por Jesus.

Por isso, rezemos pelo nosso Sumo Pontífice dirigindo preces confiantes à Maria, Serva fiel do Senhor, para que a Doce Mãe Imaculada vele incessantemente pela vida e pela missão do sucessor de Pedro. Que cada dia mais o Espirito do Senhor plenifique de graças a vida e a disposição em servir do nosso Santo Padre, o Papa Francisco.

COMPARTILHAR
22 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).