Solenidade da Ascensão do Senhor

Mt 28, 16-20

“Ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”(Mt 28, 19).

Celebrando a Solenidade da Ascensão do Senhor, a Igreja nos aponta para aquele momento glorioso do Mistério Cristão: o Filho de Deus é glorificado pelo Pai, que O recebe e O coloca para sempre à sua direita. É o reconhecimento de que o Filho foi capaz de realizar a missão a Ele pedida: oferecer a salvação à humanidade pelo mistério de sua Paixão, Morte e Ressurreição. Antes de seu retorno, porém, Jesus deixou aos discípulos a missão de que fossem pelo mundo inteiro, anunciando o evangelho a toda criatura. Aqueles que acreditassem e fossem batizados seriam salvos. O Senhor os ajudaria e confirmaria suas palavras com sinais maravilhosos.

Demonstremos com gestos concretos nossa alegria pela Ascensão do Senhor, em reconhecer que o Cristo é glorioso, mas que se digna continuar tão próximo de nós, de sua Igreja, pela ação evangelizadora que realizarmos conscientemente na construção do Reino de Deus. Desde o tempo do Papa Paulo VI que a Igreja dedica este domingo aos Meios de Comunicação Social, no sentido de que saibamos anunciar o Evangelho de Jesus Cristo a todas as criaturas e por os meios possíveis de comunicação.

O Papa Francisco em sua mensagem fala que “graças ao progresso tecnológico, o acesso aos meios de comunicação possibilita a muitas pessoas ter conhecimento quase instantâneo das notícias e divulgá-las de forma capilar. Estas notícias podem ser boas ou más, verdadeiras ou falsas. Já os nossos antigos pais na fé comparavam a mente humana à mó da azenha que, movida pela água, não se pode parar. Mas o moleiro encarregado da azenha tem possibilidades de decidir se quer moer, nela, trigo ou joio. A mente do homem está sempre em ação e não pode parar de ‘moer’ o que recebe, mas cabe a nós decidir o material que lhe fornecemos”.

À Igreja cabe hoje esta tarefa: continuar a missão deixada por Jesus Cristo, através da experiência da fé vivida, pelo testemunho dado por todos que foram batizados e que constituem a comunidade dos seguidores e seguidoras de Jesus Cristo. Podemos ver os sinais que nos acompanham, porque a graça de Deus atua em nós e através de nós, em todas as ações pastorais que tenhamos realizados. Manifestamos o seu nome e os sinais confirmam seu poder, que se torna visível no anúncio do Evangelho.

Texto: Dom Célio de Oliveira Goulart – Bispo Diocesano

Atualização: Padre Vinícius Idefonso Campos

COMPARTILHAR
Departamento de comunicação