Vem, Senhor Jesus!

Na vida cristã cada ano é chamado de Ano do Senhor. Isso porque Cristo é o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Toda história caminha com Ele e para Ele. Desse modo podemos dizer que a fé está profundamente unida à vida. Toda nossa vida, nas horas, meses, anos, está em Cristo. Ele é o Senhor do tempo e da história.

O Advento é o período que abre, a cada ano, o grande ciclo no qual a Igreja celebra o “Hoje” da nossa salvação.

“Vem, Senhor Jesus!” É a grande exclamação deste tempo litúrgico. Isso porque o Advento é o tempo da espera do Senhor que vem. O verbo “vir” é intensificado nas nossas reflexões ao longo deste que é curto, mas tão intenso tempo da liturgia. Ao lado do verbo “vir” está o verbo “esperar”, que assim pode ser entendido na história da salvação:

– Cristo foi esperado: As promessas do Antigo Testamento, vistas de modo especial com o profeta Isaías. Toda grande esperança colocada no coração do povo e que deu ânimo na caminhada, tem em Cristo o seu fim.

– Cristo veio: na plenitude dos tempos e no centro da história “no ano décimo quinto do reinado de Tibério César” (Lc 3,1). Em Belém “o Verbo se fez carne e veio habitar em meio a nós” (Jo 1, 14).

– Cristo vem: misticamente na Igreja e nos corações. Ele vem na Igreja porque é nela que se constrói o Reino de Deus e ainda porque a sua missão é a de levar o Evangelho até os confins da terra. Vem nos corações, pois são muitos que ainda “esperam” entrar no povo de Deus e de conhecer o Cristo.

– Cristo virá: na glória ao final dos tempos para entregar todos os que foram fieis a ele ao Pai. Esta é a grande esperança que deve estar presente em todos aqueles que amam e seguem a Cristo verdadeiramente.

Assim sendo, a grande aclamação que fazemos neste tempo é: “Vem, Senhor Jesus” (Ap 22, 17.20). Os primeiros cristãos assim invocavam em aramaico Marana-tha. Essa espera pela vinda do Senhor, nos anos iniciais do cristianismo, era intensa. Eles queriam que a manifestação do Senhor fosse o quanto antes. “O tempo é breve” ( ICor 7, 9), “O dia está próximo (Rm 13, 12), “A nossa salvação está mais perto de nós do que quando abraçamos a fé” (Rm 13, 11). Estas citações nos mostram como os primeiro cristãos consideravam como iminente a vinda do Senhor. Essa iminência está muito mais no aspecto espiritual, no desejo de estar com o Senhor, do que no aspecto cronológico, da nossa história, do nosso tempo material.

Para nós o desejo desta vinda gloriosa do Senhor não pode ficar amortecido. Pois se amamos o Senhor devemos ter a ânsia de estar com ele. Por isso a vivência do tempo do Advento é para que se renove esse desejo de encontro com o Senhor.

Temos assim dois grandes exemplos que nos estimulam a ter essa ânsia no coração: Maria e João Batista. Neste tempo litúrgico Maria tem um lugar privilegiado: por meio dela a salvação entrou na humanidade. Ela preparou o nascimento do Salvador em sua carne e deve preparar o seu advento em nossos corações. Ela caminha conosco para ser sempre aquela que nos prepara para a vinda de Jesus.

O precursor, João Batista, nos dá também esse exemplo, pois ele gritava no deserto “Preparai os caminhos do Senhor” (Mt 3,3), e continua a gritar ainda hoje na Igreja. Caminha conosco para ajudar a que nós preparemos os corações para o Senhor.

Para este ano de 2015 o tempo do Advento se reveste de um caráter especial, pois será o início do Ano Santo da Misericórdia, este jubileu extraordinário tão querido pelo Papa Francisco. E para que possamos nos preparar para este tempo especial da graça do Senhor, o texto da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses, que está no Primeiro Domingo do Advento, nos auxilia: “O Senhor vos conceda que o amor entre vós e para com todos aumente e transborde sempre mais” (ITes 3, 12). Que tenhamos este entusiasmo na vida de fé para praticar o amor à espera do Senhor!

6.6

Padre Álisson Sacramento

Vigário Paróquia da Catedral do Pilar

Reitor do Seminário Propedêutico São Tiago

Ecônomo da Diocese de São João del-Rei

COMPARTILHAR