Dom José Eudes fala sobre a experiência na 61ª Assembleia Geral da CNBB

Nesta segunda-feira, 15, o Santuário Nacional de Aparecida, acolheu mais uma Missa com Laudes na programação da 61ª Assembleia Geral da CNBB. Para os trabalhos de hoje,  no Centro de Eventos Pe. Vítor Coelho de Almeida, o tema abordado foi “Desafio e Luzes para a evangelização das juventudes”.

A celebração foi presidida pelo Bispo de Imperatriz (MA) e presidente da Comissão Episcopal para a Juventude da CNBB, Dom Vilson Basso, Concelebrada pelos Bispos Dom Antônio Fontinele de Melo, de Humaitá (MA), o Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Porto Alegre, Dom Darley José Kummer, e Dom José Eudes Campos do Nascimento, Bispo da Diocese de São João Del-Rei e Presidente da Comissão da Juventude do Regional Leste 2.

Hoje marca a segunda semana de trabalho da Assembleia que teve início em 10 de abril e se estende até a próxima sexta-feira, 19 de abril,

O evento aborda assuntos pastorais, de ordem espiritual e temporal, daqueles relativos à missão da Igreja e dos problemas emergentes referentes às pessoas e à sociedade, sempre na perspectiva da evangelização. Mesmo com realidades muito diferentes, seja da evangelização nos grandes centros urbanos ou em pequenas comunidades rurais, a linguagem e o espírito pastoral dos bispos se tornam únicos, pois expressam visivelmente a unidade na diversidade.

Além das atividades oficiais, os bispos também tem aproveitado dos momentos livres para se confraternizarem e viverem a verdadeira fraternidade episcopal, como no vídeo abaixo. Dom José Eudes Campos do Nascimento, Bispo da Diocese de São João del-Rei, e Dom Gil Antônio Moreira, Arcebispo de Juiz de Fora, também entraram no clima.

A Assembleia Geral, órgão supremo da CNBB, é a expressão e a realização maior do afeto colegial, da comunhão e corresponsabilidade dos Pastores da Igreja no Brasil. Ao participar da Assembleia Geral, seus membros procurarão, no diálogo e colaboração, a realização dos objetivos da CNBB, para o bem do povo de Deus.

Discussões, estudos e decisões em torno de um tema central, escolhido previamente, além de várias reflexões de realidades apresentadas pelos próprios bispos, a partir das suas experiências vividas nas dioceses e arquidioceses espalhadas pelo Brasil. Cada bispo traz na bagagem suas vivências pastorais, conquistas e dificuldades para serem partilhadas com os demais.