Piedade do Rio Grande celebra a padroeira e com missas e carreata

Piedade do Rio Grande amanheceu em festa nesta terça-feira, 15, para homenagear a padroeira, Nossa Senhora da Piedade. Celebrações de missas, carreata e consagração marcaram a programação.

Construída em 1748, a capela mariana é fruto de uma devoção à Virgem da Piedade pelos jesuítas nos Campos dos Goytacazes, antigo nome de Minas Gerais. Provavelmente esse culto foi criado pelos jesuítas, que quando perseguidos pelo Marquês de Pombal, refugiaram-se na serra de Caeté (hoje Serra da Piedade) e, pelo trabalho da evangelização, fizeram a devoção chegar a outras regiões da antiga Capitania das Minas Gerais.

Durante a consagração, o pároco, padre Jorge Fonseca, falou sobre a figura de Maria que sempre está atenta as necessidades do outro. “Maria é aquela que está no início do ministério da redenção e também está junto da cruz de Cristo, presente no momento da Paixão, a espera da vida gloriosa, da ressurreição. Hoje, diante desta pandemia, que vivíamos por olhares indiferentes que não tinha a capacidade observar quem está do nosso lado, devemos nos assimilar ao olhar de Maria, que fica atento as necessidades do outro”.

Devido a pandemia e as normas de prevenção ao Covid-19, as celebrações tiveram um numero reduzido de fiéis no interior da igreja matriz. Grande parte da programação contou com transmissões on-line pelas redes socais. Um período atípico, mas de muita fé, segundo o sacerdote. “Tiveram a oportunidade de valorizar o essencial. A espiritualidade mariana que vai nos conduzindo, principalmente, neste tempo. Não existe pandemia ou vírus para a Mãe”.

25 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).