Tradição secular, Ofício de Trevas será realizado hoje, 17, em São João del-Rei

Fotografia de Junior Viegas

Uma tradição secular da Igreja Católica será realizada nesta quarta-feira, 17, na Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, em São João del-Rei. O Ofício de Trevas, que tem início as 19h, marca a Semana Santa na histórica cidade de São João del-Rei. A cerimônia é dividida em três partes e é realizada na quarta, sexta e sábado da “Semana Maior” do cristão.

Preservado por mais de três séculos, o antigo Ofício Divino é todo entoado em latim e repleto de simbolismo. “Através de orações, salmos, leituras, lamentações, é uma forma de revivermos, meditarmos e participarmos dos sentimentos de Cristo durante o sofrimento da Paixão”, afirma o pároco da catedral, padre Geraldo Magela. Durante o rito, são executados os responsórios compostos por padre José Maria Xavier, alternando com o Coro Gregoriano.

Muitas cidades têm buscado resgatar o Ofício que deixou de adentrar muitas programações pelo mundo após o Concílio Vaticano II e a reforma das normas da Igreja Católica. Diferentemente, São João del-Rei permaneceu no costumeiro rito, realizando-o três vezes em cada ano. “São João del-Rei conservou na sua totalidade os três ofícios: o primeiro realizado na Quarta-Feira Santa à noite. Os outros dois, chamados de Matinas e Laudes, ocorrem nas manhãs de Sexta-Feira da Paixão e Sábado Santo”, explica o sacerdote.

O nome “Ofício” significa que ele faz parte da Liturgia das Horas. Já a expressão “de Trevas” vem da meditação sobre os sentimentos experimentados por Jesus em sua Paixão. A celebração é atualmente, um fato cultural e artístico, muito significativo, que atrai todos os anos grande número de pessoas da comunidade e turistas. Pessoas que buscam mais que religiosidade, mas, costumes, histórias e tradições. Riquezas culturais.

Durante o rito, as atenções são voltadas para o tenebrário, um grande candelabro triangular, com 15 velas, situado ao lado direito do altar. Ao final da leitura de cada salmo, uma vela é apagada. Apenas uma vela, no vértice, é mantida acesa e levada para trás do altar. Esta vela representa Jesus Cristo, a luz do mundo, que nunca se apaga. “O Ofício de Trevas reforça a luz da ressurreição de Cristo, significa que ele venceu a morte e está no meio de nós”, afirma.

Quando a vela está escondida, todas as luzes da igreja são apagadas. É o momento das trevas, na qual os fiéis batem com o pé no assoalho, fazendo um estrondo barulho. Em seguida, as luzes são novamente acesas, anunciando que Cristo ressuscitou. É uma forma diferente de catequizar o mistério da Páscoa.

Fotografia de Júnior Viegas
24 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).