12º Domingo do Tempo Comum

Ev Lc 9, 18-24

“Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada di, e siga-me”. (Lc 9, 23).

Aos poucos Jesus ia revelando aos seus discípulos a necessidade de que Ele se dirigisse à Jerusalém, onde deveria cumprir sua missão: pela morte de Cruz nos trazer a salvação. Tanto no pensar dos discípulos, como também na concepção dos Mestres da Lei, dos Fariseus e do povo, esperava-se pela vinda de um Messias vencedor, capaz de dominar os povos inimigos e a todos aqueles que haviam humilhado o povo de Israel. Quando Jesus falava em seguimento a Ele, sempre apontava que o mesmo deveria acontecer pela cruz. Esta realidade só se tornou compreensível aos discípulos após o processo da morte e da ressurreição de Jesus.

Os discípulos e os primeiros cristãos logo entenderam que para eles o seguimento a Jesus Cristo passaria pela Cruz, porque foram maltratados, rejeitados e martirizados. Mas ali se fundamentou a fé e se constituíram as primeiras comunidades. Conhecemos Jesus e sua proposta através do testemunho recebido pelos escritos do Novo Testamento, como também pela Tradição da Igreja.

No contexto em que hoje vivemos, cabe-nos a mesma missão dos primeiros cristãos. Nossa fé será amadurecida pela vivência consciente do sentido da cruz. Vivemos numa cultura de autoritarismo, prepotência, competição. Mas a linguagem de Jesus é de renúncia, de humildade, de despojamento. Foi este o seu exemplo para todos nós. A cruz é a força de Deus!

D. Célio de Oliveira Goulart – Bispo Diocesano

24 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).