19º Domingo do Tempo Comum

Jo 6,41-51

Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente.

O Evangelho deste domingo faz parte do chamado discurso sobre o “Pão da Vida”, um ensinamento de Jesus que se desenvolve por causa da multiplicação dos Pães.

O excerto bíblico deste domingo começa dizendo de uma murmuração por parte dos judeus. Os interlocutores de Jesus não aceitam o fato de Jesus se apresentar como “o pão que desceu do céu”. Os Judeus conhecem a sua origem humana, sabem que o seu pai é José, conhecem a sua mãe e a sua família; e, na sua perspectiva, isso exclui uma origem divina. Em consequência, eles não podem aceitar que Jesus Se arrogue a pretensão de trazer aos homens a vida de Deus.

Jesus chama a atenção dos seus ouvintes para que tenham uma mentalidade, diferente da dos antepassados no deserto. Ensina que as pessoas que vão até Ele são atraídas pelo Pai, a quem os judeus chamam de Deus. Jesus ressuscitará esses fiéis no último dia. Portanto, quem não acolhe sua mensagem, como os judeus nesse trecho do Evangelho, não está em sintonia com o Pai, não conhece os desígnios divinos.

A passagem conclui com a afirmação de Jesus de que quem nele crê tem a vida eterna. Jesus é o pão da vida! Os antepassados dos interlocutores dele comeram o maná no deserto e morreram. O maná saciava apenas a matéria. Jesus é um alimento que vem de Deus (desce do céu) para gerar vida eterna em quem dele se aproxima. Ele não apenas dá a vida, mas possui a vida em si mesmo.

A Eucaristia dada por Jesus e celebrada por nós é o memorial dessa entrega que culminou na cruz.

Fonte: Dehonianos.org

VIDA PASTORAL, julho-agosto de 2021 – ano 62 – número 340 – pág.: 53-56