2º Domingo do Tempo Comum

Jo 1,35-42

“Tu és Simão, filho de João; tu serás chamado Cefas” (que quer dizer: Pedra).

O nosso evangelho deste domingo é retirado de Jo 1,35-42 é uma perícope que completa a anterior (Jo 1,19-34), explica a segunda parte da frase de João sobre Jesus: “O que chega atrás de mim se põe adiante de mim” (1,15.30). Nesta cena, Jesus passa adiante de João, e os discípulos deste seguem a Jesus.

João indica Jesus aos seus discípulos chamando-o de ‘Cordeiro de Deus’. A expressão “eis o cordeiro de Deus”, usada por João para apresentar Jesus, fará, provavelmente, referência ao “cordeiro pascal”, símbolo da libertação oferecida por Deus ao seu Povo, prisioneiro no Egito (cf. Ex 12,3-14. 21-28). Esta expressão define Jesus como o enviado de Deus, o Messias.

A expressão ‘Cordeiro de Deus’ também evoca o cordeiro fornecido por Deus a Abraão para o sacrifício no lugar de Isaac (Gn 22,8-13); o cordeiro pascal, cujo sangue salvara os hebreus da morte durante sua libertação da escravidão no Egito (Ex 12); o cordeiro mencionado nos livros proféticos, que, pelo seu sacrifício, redimiria o povo. Este, sendo oprimido, não abria a boca, à semelhança do cordeiro levado ao matadouro ou o que ficava mudo diante dos tosquiadores (Is 53,7; Jr 11,19); os cordeiros sacrificados diariamente no templo para redimir o povo de seus pecados.

Após o testemunho de João, os seguidores de João reconhecem em Jesus esse Messias e o seguem. Seguir Jesus é uma expressão que significa caminhar atrás de Jesus, percorrer o mesmo caminho de amor e de entrega que Ele percorreu.

Em seguida temos o diálogo entre Jesus e os dois discípulos (vers. 38-39). A pergunta inicial de Jesus (“que procurais?”) sugere que é importante, para os discípulos, terem consciência do objetivo que perseguem, do que esperam de Jesus, daquilo que Jesus lhes pode oferecer.

Os discípulos respondem com uma pergunta: Mestre onde moras? Na pergunta está contida a vontade de aderir totalmente a Jesus, de aprender com Ele, de habitar com Ele, de estabelecer comunhão de vida com Ele. Os discípulos tratam Jesus com respeito ao chama-lo de Rabi (Mestre). Com esse tratamento os dois discípulos indicam que estão dispostos a seguir os ensinamentos deste novo Mestre. E Jesus responde “vinde ver”, ou seja, Ele aceita a pretensão dos discípulos e os convida a aprender com Ele, a partilhar a sua vida.

Por fim, temos o fato de que André levou seu irmão, Simão, a Jesus. Em outra passagem, Filipe vai fazer o mesmo com Natanael (v. 43-46). João Batista encaminhou a Jesus seus discípulos e estes levaram outros, formando uma cadeia de gerações de seguidores. Isso significa que a missão de cada um é levar pessoas a seguir Jesus. Somos devedores de alguém que nos evangelizou: nossa família, nossa paróquia, uma pessoa em particular. Precisamos seguir adiante, formando novos elos para a corrente de discípulos de Jesus.

Fonte:
Dehonianos.org

Aíla L. Pinheiro de Andrade, nj, In. VIDA PASTORAL, janeiro-fevereiro de 2021 – ano 62 – número 337 – pág.: 45-47