4º Domingo da Quaresma

Jo 3,14-21

quem age conforme a verdade, aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus.

Ouvimos assim a Antífona de Entrada da Missa: “Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações” (Is 66,10s). Esta é a antífona de entrada da Santa Missa do IV Domingo da Quaresma ou chamado Domingo Laetare (Domingo  da Alegria).

A Igreja nos apresenta este domingo no meio da Quaresma, na metade do caminho para a celebração da Ressurreição do Senhor, nos convidando à alegria pela aproximação da Santa Páscoa. Então neste dia a cor da Santa Liturgia muda e utilizamos a cor rosa, que é uma mistura da cor roxa quaresmal com a cor branca pascal.

O texto do Evangelho proposto para este domingo é a narrativa do encontro de Jesus com Nicodemos. Na conversa com Nicodemos, um judeu conhecedor das Escrituras, Jesus cita o texto de Nm 21,19, que se referia ao episódio das serpentes venenosas que atacaram o povo de Deus no deserto. Uma serpente de bronze foi erguida e quem fosse picado pelas cobras seria curado ao olhar para a serpente suspensa na haste.

A serpente erguida no deserto providenciou a cura física ao povo; Jesus, erguido na cruz oferece vida e salvação. Jesus destaca que Deus enviou seu Filho com o único propósito de salvar, e não condenar.

Aos seres humanos é sugerido que acreditem no “Filho do Homem” levantado na cruz, para que não pereçam, mas tenham a vida eterna. Acreditar no “Filho do Homem” significa dar adesão a Ele e à sua proposta de vida. Significa aprender com Jesus a lição do amor oblativo que consiste em percorrer com Cristo o caminho da entrega e do dom da vida. É esse o caminho da salvação, da vida plena e definitiva.