8º Domingo do Tempo Comum

Lc 6,39-45

Toda árvore é reconhecida pelos seus frutos. 

O Evangelho do 8º Domingo do Tempo Comum é retirado de Lc 6,39-45. Continuamos a ler o “discurso da planície”, no qual Jesus nos apresenta elementos fundamentais da fé cristã.

Os dois primeiros versículos (39-40) é dirigida contra os falsos líderes da comunidade, que pretendem estar acima do mestre. Quando alguém apresenta a própria doutrina e não os ensinamentos de Jesus acaba por desorientar a comunidade.

Na segunda parábola Jesus fala da trave no olho. Ao utilizar estes termos Jesus quer falar da absurdidade daquele que pretende ser juiz de seu irmão. Esta fala de Jesus não significa uma conivência com os pecados cometidos. Na verdade, esse discurso é voltado para os fariseus que se julgam superiores aos demais. Uma boa autocrítica é a condição para ajudar o irmão a se corrigir.

A terceira parábola fala da árvore e dos frutos. Ao utilizar essa comparação Cristo propõe a verificação e a opção do verdadeiro discípulo. Os “bons frutos” podem ser comparados com a verdadeira proposta de Jesus: dá bons frutos quem tem o coração a mensagem de Jesus e a anuncia fielmente. Quem carrega consigo o evangelho de Cristo produz frutos como: fraternidade, partilha, amor, reconciliação. Quando as palavras de um “mestre” geram divisão, tensão, desorientação, confrontação na comunidade, elas revelam um coração cheio de egoísmo, de orgulho, de amor próprio, de autossuficiência: cuidado com esses “mestres”, pois eles não são verdadeiros.

Referência:

FABRIS, Rinaldo; MAGGIONI, Bruno. Os evangelhos II. 3 ed. São Paulo: Loyola, 1998.

25 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).