Com festa e alegria Paróquia de Ibituruna festeja padroeiro, São Gonçalo do Amarante

Foi com grande alegria que a cidade de Ibituruna celebrou no último sábado, 30, a festa do padroeiro, São Gonçalo do Amarante. Conhecida pelas danças típicas e pela estonteante alegria dos moradores, a festa foi reconhecida, em agosto de 2020, pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Arquitetônico de Minas Gerais (IEPHA) como Patrimônio Cultural Imaterial. Este ano, devido a pandemia da Covid-19, a programação foi tímida e diferente. No dia maior houve missas, procissão motorizada e benção.

Durante todos os dias do novenário as danças tradicionais do povo ibiturunense foram o ponto alto dos festejos. Neste ano, devido a pandemia, a tradição foi realizada respeitando o distanciamento dos fiéis e exigiu uma participação menor. Mudanças que não foram capazes de tirar a beleza e envolvimento da comunidade. Padres e fiéis não se intimidaram em soltar a voz para aclamar o santo.

“Estamos em um tempo diferente, em provação, fazendo memória de um ano há atrás, quando nossa igreja se encontrava lotada. Mas, mesmo diante de tudo isso, nós rezamos bem. Fizemos uma bela novena em dois horários e muita participação, presencial e virtual. Isso mostra nossa força, nossa fé e devoção”, explica o pároco, padre Admilson Paiva.

Neste ano a temática esteve em sintonia com as comemorações dos 150 anos da declaração de São José, o Esposo de Maria, como Padroeiro da Igreja Católica. As reflexões serão inspiradas na Carta apostólica “Patris corde – Com coração de Pai”, do Papa Francisco.

O grande dia da festa, 30, começou cedo com Alvorada Festiva abrilhantada pela Corporação Musical Santa Cecília de Ibituruna. Pela manhã houve a celebração da missa festiva. N aparte da tarde houve cortejo com a imagem do padroeiro pelas ruas da cidade. A festa terminou com missa e benção.

SOBRE O SANTO

Gonçalo de Amarante nasceu no fim do século XII em Tagilde, na freguesia de São Salvador, no distrito de Braga, em Portugal. Sob a orientação do Arcebispo de Braga, Gonçalo se dedicou ao estudo da teologia e ao sacerdócio. Depois de formado, passou 14 anos viajando pela Terra Santa, no Oriente Médio, e depois voltou para Portugal, onde se retirou como eremita na região de Amarante.

São Gonçalo morreu em 10 de janeiro de 1259 (ano incerto) na sua singela cabana de orações. O santo foi sepultado neste mesmo local, onde se construiu um grande mosteiro em sua homenagem.

Fotos: Pascom Ibituruna

26 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).