Dia dos Namorados: quando a Igreja serve de palco para o início de um relacionamento

HR Fotocinegrafia

A data mais apaixonante do ano chegou: um dia específico para declarar o seu amor. O dia 12 de junho é marcado por surpresas entre os enamorados, suspiros emocionantes e até lágrimas de felicidade. Além de comemorar, a data serve para relembrar lindas histórias.

Já se sabe que não há hora e, muito menos, lugar para se apaixonar. Mas se for na igreja, em um ambiente de fé, sem dúvida, a história se torna ainda mais abençoada. José Roberto Zim que o diga. Casado há 44 anos, recorda o início de toda a história de amor, em um passeio para catequistas. “Nós éramos catequistas e foi em um passeio com crianças, em Tiradentes, que encontrei a Dora. Foi minha primeira e única namorada. Tinha 15 anos na época”, recorda.

13400939_1006513352760081_2051021047_n
O Casal José Roberto e Dora quando atuavam como catequistas.

Segundo Zim, o casal que atua junto na igreja tem grandes chances de viver um relacionamento firme. “Começamos como catequistas e estamos sempre juntos até hoje”.

Mas se engana quem acredita que estes casos só aconteciam no passado. Thais Helena dos Santos vem quebrar totalmente este rótulo. Natural de Itajubá, a jovem foi encontrar o amor dentro do grupo de oração, na universidade. “Conheci o Francisco na primeira experiência de oração, em 2008, do Ministério Universidades Renovadas. Aos poucos fomos nos aproximando e, depois de algum tempo, começamos a namorar”, recorda.

029
Thais e Francisco se conheceram através do Ministério Universidades Renovadas

E deu tão certo o relacionamento que, em novembro de 2015, o casal decidiu se casar e receber a benção de Deus no Sacramento do Matrimônio. E tanto amor, acabou rendendo frutos, ou melhor, está para render, afinal, o Gabriel ainda está a caminho.

Ao contrário de Thais, que foi surpreendida pelo amor, Eduardo Resgalla fazia preces a Deus na expectativa de um bom relacionamento. “Acho que exagerei nas minhas orações. Pedi tanto a Deus uma namorada que me aproximasse Dele. Que fosse bela, doce, meiga, forte, dedicada e inteligente, então Ele me deu a Viviane, superando todas as minhas expectativas”.

A dança da quadrilha serviu para unir Eduardo e Viviane.

O namoro também surgiu na igreja, durante uma quadrilha do grupo de jovens. Adivinha quem foi o par de Eduardo? “Nos conhecemos em um grupo de jovens, que organizou uma quadrilha e um amigo em comum colocou para dançarmos juntos”. O par deu certo, se casaram em dezembro de 2006 e estão juntos até hoje.

Já o relacionamento de Tiago e Nathália foi adocicado com as guloseimas da Festa de Nossa Senhora do Carmo. O casal integrava o grupo de jovens carmelitas e nutriu o relacionamento com a proteção da Virgem Maria.

Em se tratando de festa religiosa, John Éric pode dizer que o amor dele por Tamires é obra do Espírito Santo, afinal, eles se conheceram em pleno Jubileu do Divino, tradicional festa de São João del-Rei.

“Logo após nos conhecermos, ingressamos juntos em um grupo de jovens, onde começamos a fortalecer e entender melhor o projeto de Deus para nossas vidas. Depois de sentir um chamado de nos doarmos um pouco mais, resolvemos fazer parte da Juventude Missionária, onde aprendemos mais o sentido da partilha e nos doarmos mais as outros. Foi o que nos ajudou muito a entender que o namoro e o casamento também são doações diárias. Hoje também somos assessores da Juventude Missionária Salesiana e coordenadores do Projeto Ágape”, explica John.

John e Tamires se conhecerem durante a novena do Divino Espírito Santo.

Foram quase 7 anos de namoro até oficializarem o sacramento do matrimônio, em janeiro deste ano. Até hoje, os jovens vem auxiliando diversos trabalhos na igreja e protagonizando o serviço e a união do cristão. “Trabalhar juntos pra Deus nos fortaleceu e nos ensinou muito. E mesmo diante das dificuldades que todos casais enfrentam, em Deus conseguimos superar todas elas”.

Seja na Igreja, no trabalho ou até mesmo na rua. Não importa o local e a forma como foi abordado. O amor é algo divino e merece total atenção, dedicação, respeito e, sem dúvida, oração.

24 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).