Dom José Eudes celebra hoje 25 anos de ordenação sacerdotal

Em 22 de abril de 1995, apenas oito dias antes de completar 29 anos de idade, José Eudes Campos do Nascimento, agora bispo da Diocese de São João del-Rei, foi ordenado sacerdote pela imposição das mãos de Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida, arcebispo de Mariana. Hoje, após 25 anos, a celebração daquele sábado se retoma na lembrança, trazendo grandes alegrias e comemorações.

Não muito diferente dos demais sacerdotes, o chamado vocacional de Dom José Eudes surgiu na infância, em meio a sua participação na igreja como coroinha. Nas brincadeiras, o biscoito se tornava hóstia e um grande lenço virava o paramento litúrgico. Um entretenimento infantil que já traçava o compromisso e entrega ao chamado de Deus e da igreja.

Ingressou na Congregação de São João Bosco, os salesianos, em 1983, realizando o aspirantado. Em 1988 fez um ano de filosofia em São João del-Rei antes de se transferir para a Arquidiocese de Mariana para concluir o estudos no Instituto Santo Tomás de Aquino. Terminado o curso de filosofia, foi para o Seminário São José, da Arquidiocese de Mariana, para cursar Teologia.

Até a ordenação foram muitos momentos de alegrias e provações. O que se culminou com uma bela celebração na praça da Estação, em Barbacena/MG. Durante a homilia, Dom Luciano falou sobre a importância da ordenação sacerdotal como um serviço confiado por Deus para o bem do seu povo.

Questionado sobre os atuais sentimentos diante da celebrativa data, Dom José Eudes reforça sua felicidade por ter assumido o ministério sacerdotal. “Sinto-me realizado como pessoa. Por todos os lugares que passei nestes 25 anos de Vida Sacerdotal, encontrei pessoas que me acolheram como filho, irmão, amigo e pai. Sempre acreditei na sinceridade que, de um jeito ou de outro, fizeram e fazem parte da minha vida”.

Inspirado no Papa Francisco, ele destaca a importância de trilhar seu ministério junto da comunidade. “Tenho procurado, nestes meus 25 anos de vida Sacerdotal, viver os grandes ensinamentos do Papa Francisco, que o padre como pastor não tem que ficar somente há frente do seu rebanho governando, mas também no meio do povo, mais perto deles, caminhando com os próprios fiéis e com todos aqueles que se dirigem a ele, partilhando com eles alegrias e esperanças, dificuldades e sofrimentos, como irmãos e amigos, mas, ainda como pai, que são capazes de escutar, compreender, ajudar, orientar”.

Uma trajetória de muitas histórias e lugares. “Pelas experiências nas Paróquias por onde eu passei, Paróquia Nossa Senhora da Conceição (Congonhas); Paróquia São Gonçalo do Amarante (Catas Altas da Noruega); Paróquia Nossa Senhora do Rosário (Rio Pomba); Paróquia de Santa Efigênia (Ouro Preto); na Diocese de Leopoldina e agora na Diocese de São João del-Rei, tenho procurado ser uma presença na vida de todas as pessoas, principalmente junto aos mais necessitados, procurando viver e caminhar com o povo que me foi confiado, partilhando as alegrias, as tristezas e dificuldades enfrentadas no dia, me esforçando para ser realmente um verdadeiro pastor, dando a vida pelas ovelhas, pelo rebanho a mim confiado em todos estes lugares por onde passei. Tenho me esforçado para viver o lema da minha Ordenação Sacerdotal, uma frase de Dom Bosco: ‘O Senhor colocou-nos neste mundo para os outros’”.

Para aqueles jovens que sentem o desejo de seguir a vocação, Dom Eudes diz, e sem medo: “vale a pena dedicar a vida ao anúncio da Boa Nova de Jesus como sacerdote”. E ainda reforça “que para seguir esta vocação é fundamental abrir-se ao chamado de Deus, sendo disponível aos apelos. Vale a pena arriscar tudo pela causa do Reino de Deus. Vale a pena ser padre”.

Reportagem: Lucas Silveira e Fabíola Ribeiro

25 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).