Emocionado, Daniel é ordenado padre durante cerimônia em Minduri

Emoção não faltou na manhã de sábado, 27, na cidade de Minduri. Pela imposição das mãos de Dom José Eudes Nascimento, bispo diocesano de São João del-Rei, Daniel Nicodemos Josino foi ordenado para o segundo grau do sacramento da Ordem: o presbiteral. A cerimônia aconteceu no Centro de Eventos José Ibraim da Silva.

Segundo o Catecismo da Igreja Católica, a Ordem é o Sacramento da Graça, ao qual a missão confiada por Cristo aos Apóstolos continua a ser exercida na Igreja, até ao fim dos tempos (CIC 1536). Durante a cerimônia, Dom José Eudes, conduziu o jovem para os tradicionais ritos do Pontifical Romano: a eleição do candidato; homilia; propósito do eleito; ladainha; imposição das mãos e prece de ordenação; unção das mãos e entrega da patena e do cálice.

Nascido em Cruzília, no dia 10 de Fevereiro de 1990, Daniel é filho de José Donizete Josino é Maria Aparecida Josino. Uma pessoa alegre, amiga e sempre disponível a ajudar o próximo. Viveu sua adolescência e juventude como qualquer outro jovem. Jogou bola, namorou, mas encontrou seu caminho, mesmo, ao sentir o chamado para a vocação sacerdotal.

“Meu chamado se deu aos 8 anos de idade quando fui a uma ordenação de um primo. Naquela época fiquei encantado com a celebração e disse para minha mãe que queria ser padre. Com o tempo fui me engajado na vida da Igreja como coroinha, membro do grupo de Jovens, catequista e sacristão. Mas foi com a Jornada Mundial da Juventude, em 2013, no Rio de Janeiro, que senti de fato o chamado mais forte para a vocação presbiteral, a qual respondi com mais clareza no ano de 2016”, recorda o jovem, neo-sacerdote.

Após os encontros vocacionais, a vida de formação no seminário e alguns meses de diaconato, Daniel se vê pronto para diz “sim” à mais um grau do Sacramento da Ordem. “As expectativas são as melhores possíveis. Ver um sonho se realizar é dom de Deus que faz a nossa vida acontecer. Aguardo este momento com muita gratidão a Deus, a minha Paroquia, a minha Diocese, amigos e familiares. E porque, não, dizer também, com um friozinho na barriga, mas o aguardo com sinceridade e liberdade de coração”.

Uma caminhada árdua, mas de muito aprendizado. “Hoje, quando olho para trás e vejo tudo o que aprendi, o que eu passei para chegar até aqui, pelas amizades conquistadas e trabalhos realizados, por cada troca de sorrisos, digo que valeu muito apena e, com certeza, continuará a valer, pois, seguir a Jesus é a melhor resposta de amor que alguém pode dar, em agradecimento, a entrega e doação de Jesus para nós salvar”, pontua.