Festa das padroeiras: devotos vão as igrejas para pedir a proteção de Nossa Senhora, em meio a pandemia

Fogos, sinos e muitas manifestações de fé marcaram os festejos em honra a Virgem Maria na última terça-feira, dia 12 de outubro. Além de recordar a Aparição da imagem de Maria no Rio Paraíba, os fiéis celebram a Festa da “Rainha de São João del-Rei”, Nossa Senhora do Pilar, Padroeira da cidade histórica e de todo o território Diocesano. Sem dúvida, um dia de festa para devotos e moradores da região.

Nossa Senhora Aparecida

Aclamada como Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida foi festejada com grande júbilo em toda a Diocese. Desde capelas, comunidades rurais e urbanas até Igreja Matriz. Praticamente todas as 42 paróquias promoveram algum festejo ao mais famoso título mariano do Brasil.

Uma devoção contínua e crescente até hoje. Na pequena cidade de Ijaci um pequeno templo dedicado a Nossa Senhora Aparecida tem sido construído com o esforço dos moradores da comunidade Bairro da Serra. A obra teve início há pouco mais de dois anos e se torna uma das várias demonstrações da devoção. “Percebemos o quão querida é Nossa Senhora Aparecida no coração do povo de Deus presente naquela comunidade. Com a graça de Deus e a intercessão de Nossa Senhora, cada vez mais a obra avança tornando-se sinal da união e da generosidade do povo de Deus da Paróquia de Ijaci”, pontua o pároco, padre Lucas Alerson de Sousa.

Alcançando um pouco mais de 15 km, a cidade de Lavras abriga a única paróquia dedicada a Nossa senhora Aparecida em todo o território diocesano. A programação do dia 12 começou cedo e contou com 05 missas durante todo o dia. pela manhã houve carreata com a imagem pelas ruas da cidade. Neste ano a festa teve como tema “Com Maria, somos povo de Deus, unidos pela aliança”, em sintonia com o Santuário Nacional de Aparecida.

Nossa Senhora do Pilar

Já na Catedral Basílica de São João del-Rei a festa teve inicio com os fogos da alvorada. Ao todo a programação contou com 4 celebrações eucarísticas, sendo uma solene, presidida pelo bispo diocesano, Dom José Eudes Campos do Nascimento.

Segundo a tradição espanhola, umas das primeiras aparições de Nossa Senhora se deu ao apóstolo Tiago, quando este evangelizava a Espanha. Maria, que vivia em Éfeso, estava presente em Saragoça, para animar o apóstolo na evangelização.

Durante a homilia, o bispo falou sobre o significado da devoção. “Hoje é um dia festivo para todos nós. Nossa Senhora do Pilar é padroeira dessa Catedral, da cidade e de toda igreja particular de São João del-Rei. há poucos dias celebramos os 300 anos do início da construção da nossa igreja catedral. Por isso temos muitos motivos de louvarmos e agradecer a presença constante da Virgem do Pilar na vida de cada um de nós. Quantos que por aqui passam e depositam diante de Maria, a Mãe do Pilar, as súplicas, os pedidos e intenções”.

Na parte da tarde a imagem saiu pelas ruas do centro histórico. Segundo o pároco, padre Geraldo Magela da Silva, a passagem da imagem é uma forma de “recordar a presença bonita de Nossa Senhora junto das nossas famílias e remeter a passagem bíblica de São Lucas, “Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar”? Durante o trajeto, muitas manifestações de carinho a Maria. Fogos e chuvas de pétalas  foram alguns dos recursos utilizados.

“Rendemos graças ao Bom Deus por permitir a Virgem Maria manifestar ao apóstolo Tiago, sob um Pilar trazido do céu, pelos anjos, para alentá-lo na missão. Conhecemos bem essa história mas é importante recordar, repetir. Ela ainda habitava essa terra, não tinha assuntado ao céu. A partir da visita de Maria os frutos foram abundantes. Ela ensina a nos deixar moldar pelo Espírito Santo e a sonhar os sonhos de Deus”, explica o pároco, padre Geraldo Magela. A Virgem do Pilar é invocada como refúgio dos pecadores e consoladora dos aflitos.

Na chegada do cortejo houve missa, canto solene do Te Deum laudamus e Benção do Santíssimo Sacramento.

26 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).