Fiéis celebram a Festa de Pentecostes com manifestações de fé e tradições culturais

Uma mistura de religiosidade, tradição e cultura. O Jubileu do Divino começou em São João del-Rei em 1774 e acarreta, além de missas e procissões, uma grande expressão de fé. Seja no batuque das folias, nas fitas multicoloridas do congo ou nas preservadas riquezas devocionais.

Organizada pela Comissão do Divino, grupo criado com o intuito de organizar a festa junto à paróquia, a celebração atrai a atenção dos fiéis de toda a região. Segunda maior festa da Paróquia Senhor Bom Jesus de Matosinhos, a data marca a unção do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus e a Virgem Maria. A ocasião é recordada anualmente sempre 50 dias após o Domingo de Páscoa.

A Solenidade de Pentecostes é um fato marcante para toda a Igreja, para os povos, pois nela tem início a ação evangelizadora para que todas as nações e línguas tenham acesso ao Evangelho e à salvação mediante o poder do Espírito Santo de Deus. A vinda do Espírito Santo (narrada no livro dos Atos dos Apóstolos, capítulo 2) confirma a realidade da presença, poder e comunhão de Deus com o seu povo. Ele prometeu estar juntos daqueles que creem.

A festa

As celebrações em honra ao Divino Espírito Santo começaram cedo na Paróquia. Às 6 horas, com alvorada festiva, sinos, toque de caixas e Banda de Música. Simultaneamente, aconteceu a chegada dos grupos de congadas, que foram recebidos com muita alegria e um delicioso café.

Logo pela manhã o som dos instrumentos já se destacavam em meio a movimentação. Com tambores, fitas e muita alegria, os grupos de Congado, vindos de várias cidades mineiras, revelava a diversidade cultural do país através da demonstração de fé de um povo. A luta pela valorização de suas raízes. “O grande jubileu do Divino abraçou os congados e toda essa cultura. É uma riqueza imensurável”, destaca o historiador, Ulisses Passarelli.

Dezenas de grupos de congados se reuniram no Salão Santo Antônio para saudar a imagem de Nossa Senhora do Rosário e o imperador da Festa. Em seguida, em procissão, seguiram até o Santuário, percorrendo as ruas do bairro de Matosinhos levando cores e simplicidades por onde passavam. No Santuário, aconteceu as saudações ao Divino, Nossa Senhora da Lapa e Santo Antônio, e a chamada de reis, rainhas, príncipes e princesas.

Na parte da tarde, em horário especial, os fiéis saíram em festiva procissão do Divino Espírito Santo. Na chegada, o bispo Diocesano, Dom José Eudes Campos do Nascimento, presidiu a missa festiva. “Essa bela tradição, presente na vida de nossa comunidade, com suas músicas e danças, prestam homenagens ao Espírito Santo. É bonito ver essa religiosidade na vida do nosso povo”.

Dom José Eudes também falou sobre a importância de renovar os compromissos sacramentais no dia à dia. “Precisamos deixar o Espírito Santo agir de verdade em nossa vida e fazer de nós pessoas novas”, explica.

Após a concelebração, houve a coroação do novo imperador e Bênção do Santíssimo Sacramento. Em seguida, descida dos mastros, despedida das congadas e show de encerramento com Chico Lobo.

 

Fotos: Éder Campos | Fabíola Ribeiro (PASCOM SBJM)