Igreja realiza Campanha para a Evangelização neste tempo do Advento

A Igreja no Brasil tem o cuidado de sempre oferecer instrumentos para todas as comunidades e para todos os batizados vivenciarem a fé de forma prática, aproveitando os tempos da Liturgia e das Celebrações. Assim, o Tempo do Advento, tempo da feliz espera pelo Salvador, é marcado pela Campanha para a Evangelização. A Campanha para a Evangelização teve início no dia 26 de novembro de 2022, com a Solenidade de Cristo Rei,  e se estende ao longo do tempo litúrgico, com a coleta no 3º domingo do Advento, este ano dias 16 e 17 de dezembro. A Campanha da Evangelização foi criada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em 1998 e busca mobilizar os católicos para assumir a corresponsabilidade da sustentação das atividades evangelizadoras da Igreja.

A Campanha para a Evangelização deste ano quer ser uma ponte a nos conduzir da Campanha da Fraternidade 2023, sobre a fome, à Campanha da Fraternidade 2024, sobre “Fraternidade e amizade social”, passando pelo Mistério da Encarnação. Por isso, o tema escolhido é: “Em Belém, casa do pão, Deus nos faz irmãos”. Ele foi inspirado na canção do frei Fabretti e do José Thomaz Filho, que diz: “Deus nos espera em Belém, sabe da fome que temos. Vamos à casa do pão. Lá nosso irmão nós veremos”, e quer nos conduzir da “casa do pão”, Belém, lugar onde, com o Mistério da Encarnação, nasce todo o nosso compromisso de superação da fome uns dos outros, até à amizade social, outro nome da fraternidade nascida na pessoa do Verbo Encarnado que, em Belém, se fez nosso irmão e nós o pudemos ver “envolto em faixas” (Lc 2,12), deitado sobre as palhas, colocado entre o boi e o burro (1Cel 84).

Materiais

Motivados pelo alerta do Dicastério para a Comunicação, que recentemente nos disse que “devemos redescobrir o vínculo entre a liturgia celebrada nas nossas igrejas e a comemoração do Senhor com gestos, palavras e orações nas casas de família” (Rumo à presença plena, n. 60), este ano, preparamos 4 folhetos para serem distribuídos às famílias da comunidade/paróquia, um para cada semana da Campanha para a Evangelização, com uma breve reflexão, oração e conscientização a ser realizada em casa, pela família. Cada Diocese receberá uma quantidade de folhetos e ainda disponibilizaremos no site da CNBB (cnbb.org.br) e das Campanhas (campanhas.cnbb.org.br) a arte para quem precisar imprimir mais folhetos e um formato para baixar e rezar a partir do celular. Cada paróquia/comunidade deve encontrar a melhor forma de fazer com que os folhetos cheguem às famílias: sendo distribuídos na missa um por um a cada domingo; entregando-os todos de uma vez, em casa; fazendo-os chegar por meio do círculo bíblico, setor missionário, do agente do Dízimo ou do missionário da Mãe Rainha… Cada comunidade conhece a sua realidade e saberá dinamizar da melhor maneira a Campanha para a Evangelização.

Materiais da Campanha de Evangelização 2023

A destinação dos recursos

A Campanha para a Evangelização destina os seus recursos para a dinamização e manutenção dos 19 regionais da CNBB, visando à execução das atividades evangelizadoras, programadas a partir das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE). Em muitos regionais existem atividades missionárias além-fronteiras, com apoio a diversas pastorais, serviços, organismos e movimentos.

Os recursos da Coleta para a Evangelização garantem que a Igreja no Brasil dê continuidade ao anúncio e testemunho do Evangelho desde as áreas missionárias até às periferias das grandes cidades, passando pelas ações pastorais e pela articulação das comunidades eclesiais missionárias, além de contribuir para a manutenção da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

A distribuição dos recursos é feita da seguinte forma: 45% do montante arrecadado permanecem na diocese para subsidiar a ação missionária, evangelizadora e pastoral da própria Igreja local; 20% do total arrecadado são encaminhados para os regionais da CNBB, com a mesma finalidade, sustentar as estruturas regionais de evangelização; e os demais 35% destinam-se à CNBB nacional, de forma a garantir iniciativas e estruturas evangelizadoras em todo o Brasil, especialmente nas regiões mais carentes.