IV Domingo do Tempo Comum

Ev Lc 4, 21-30

“Hoje se cumpriu essa passagem da Escritura, que vocês acabam de ouvir” (Lc 4, 21)

Jesus teve consciência de iniciar sua vida pública a partir deste encontro com pessoas que poderiam ser familiares a ele, em sua cidade de Nazaré, revelando assim o novo tempo de Deus acontecendo. Certamente gostaria que seus conterrâneos fossem os primeiros a aceitar a proposta do Projeto de Deus Pai. No entanto, Ele foi rejeitado e expulso de sua própria cidade. Ou porque não entendiam que o Messias pudesse se revelar em pessoa tão simples como a daquele jovem carpinteiro, ou porque não desejavam mesmo participar do Projeto do Reino de Deus.

Na sua missão Jesus Cristo foi muito bem recebido por pessoas simples, humildes, pecadores ou que se sentiam necessitadas da atenção e da força daquele homem, que curava os que estivessem enfermos ou expulsasse os demônios daqueles que eram dominados pelo espírito mau. Tudo isso Ele realizou longe de sua cidade!

Nossa missão como cristãos batizados, que assumimos o seguimento à pessoa de Jesus Cristo, é de realizarmos hoje as obras do Reino de Deus. E ao desempenharmos essa tarefa, observamos que acontece conosco algo semelhante àquilo que fora a experiência de Jesus. Nem sempre as pessoas, a começar daqueles com quem convivemos em nossa família, em nossos ambientes de trabalho, ou que de alguma maneira estejam próximas, aceitam nosso testemunho e nossa proposta de anúncio da Boa Nova de Jesus Cristo. Aquele ditado: “santo de casa não faz milagres” se aplica muitas vezes às pessoas que desejam viver com coerência e radicalidade a proposta de Jesus Cristo. Que isto não nos desanime, mas seja incentivo a levarmos à frente nossas boas ações.

 

Célio de Oliveira Goulart – Bispo Diocesano.