Missa festiva marca posse de Padre Lucas em Ijaci

Foi com alegria e oração aos pés da imagem de Nossa Senhora da Conceição que a Comunidade de Ijaci acolheu na noite de terça-feira, 26, o novo administrador paroquial, padre Lucas Alerson de Sousa. A nomeação aconteceu em dezembro de 2020, após uma circular encaminhada por Dom José Eudes.

A celebração de posse contou com missa presidida pelo bispo diocesano, Dom José Eudes Campos do Nascimento e concelebrada por diversos padres da região. “As sementes que foram lançadas nesta paróquia, que completou recentemente seus 25 anos de existência, continuam gerar frutos, agora, com o novo semeador, que continua a semear a boa nova do evangelho ao povo. Uma comunidade alegre que caminha junto”, explica o bispo Diocesano, durante a homilia.

Após a leitura da provisão canônica, padre Lucas fez a profissão de fé e, tocando o Evangelho, fez seu juramento de fidelidade. Seguindo os tradicionais ritos, o sacerdote recebeu a chave da igreja, juntamente com alguns outros símbolos importantes para a caminhada pastoral como a chave do sacrário, a concha do batismo e a estola roxa, representando o Sacramento da Penitência.

“A expectativa é a melhor possível nesta nova missão. por que, a partir de então, a igreja me confia uma nova responsabilidade. Ao mesmo tempo que é um desafio, é uma alegria em saber que agora, mais diretamente, nós contamos com esse trabalho mais próximo do povo de Deus”, conclui o recém-empossado.

Ao final da missa, após a homenagem da comunidade, o padre realizou o discurso de agradecimento. A nova missão do sacerdote foi depositada não mãos de Maria, à Virgem da Conceição, através da Consagração a Nossa Senhora.

Além de atender como Administrador Paroquial de Ijaci, padre Lucas também exercerá a função de vigário na Paróquia de São Sebastião, na cidade de Lavras.

Sobre a função de administrador paroquial

O administrador paroquial possui a mesma função de um pároco na referida comunidade. “O pároco é o pastor próprio da paróquia a ele confiada; exerce o cuidado pastoral da comunidade que lhe foi entregue, sob a autoridade do Bispo diocesano, em cujo ministério de Cristo é chamado a participar, a fim de exercer em favor dessa comunidade o múnus de ensinar, santificar e governar, com a cooperação também de outros presbíteros ou diáconos e com a colaboração dos fiéis leigos, de acordo com o direito.” (Cân 519)

A diferença, no caso, se dá ao período temporal de cada função. Enquanto o pároco é nomeado para uma função mais estável, o administrador possui um cargo mais instável, provisório até, podendo ser transferido a qualquer momento.