Paróquia do Pilar realiza missa de 1° ano de falecimento de Monsenhor Flávio Carneiro Rodrigues

A Paróquia da Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar convida a todos para a Santa Missa do 1° ano de falecimento de Monsenhor Flávio Carneiro Rodrigues que será celebrada nesta segunda-feira, dia 8 de janeiro, às 19 horas, na Catedral.

Sobre Monsenhor Flávio Carneiro Rodrigues

Natural de São João del-Rei, Monsenhor Flávio Carneiro Rodrigues nasceu no dia 15 de fevereiro de 1932. Foi ordenado no Seminário Maior de São José de Mariana em 1959, atuando como capelão em várias igrejas da Arquidiocese de Mariana e pároco da Igreja de Nossa Senhora da Glória de Passagem de Mariana, de 1959 a 2004.

Estudou Filosofia e Teologia no Seminário Maior de São José de Mariana, além de história, letras e pedagogia na Universidade Federal de Ouro Preto. Fluente em latim e grego antigo, foi professor em diversas instituições de Mariana, como a Escola Estadual Dom Silvério (onde ensinou língua portuguesa e história por 20 anos), o próprio Seminário Maior de São José (onde lecionou grego, latim e língua portuguesa por 38 anos), e o Instituto de Ciências Humanas e Sociais da UFOP, onde ministrou os cursos de grego, latim, língua portuguesa e etimologia por 19 anos.

Atuou na Cúria de Mariana como tesoureiro (1956-1990) e como diretor do Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana, além de diretor do Museu da Música de Mariana (de 1973 a 1996), de cuja fundação participou, juntamente com a professora Maria da Conceição de Rezende Fonseca, a serviço do arcebispo Dom Oscar de Oliveira, o idealizador dessa instituição. Era membro da Academia de Letras do Brasil de Mariana (ALB-Mariana) desde 27 de fevereiro de 2010, além de membro correspondente do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais (Belo Horizonte) e membro da Academia Sanjoanense de Letras (São João del-Rei).

O sacerdote faleceu no dia 8 de janeiro de 2023.

Produção e atuação

Monsenhor Flávio era autor de vários artigos históricos e de livros sobre pastorais e relatórios setecentistas da Arquidiocese de Mariana, com destaque para “O copiador”, de Dom Frei Manoel da Cruz, em coautoria com Maria José Ferro de Souza (2007) e para a série de Visitas Pastorais do Século XVIII no Bispado de Mariana.

Em quase 60 anos de trabalho na Cúria de Mariana, dirigiu vários projetos de conservação, restauração e ampliação do acesso à documentação do Arquivo Eclesiástico da Arquidiocese de Mariana, um dos mais significativos arquivos referentes à Igreja e à sociedade da região nos séculos XVIII e XIX. Foi também responsável, junto aos arcebispos Dom Oscar de Oliveira e Dom Luciano Mendes de Almeida, por várias ações semelhantes voltadas ao Museu da Música de Mariana, que contribuíram significativamente para sua conservação, acesso e divulgação: desde sua fundação em 1973, passando pelo translado para a residência arquiepiscopal em 1988 e culminando na celebração do projeto de reorganização e catalogação financiado pela Petrobras e gerenciado pelo Santa Rosa Bureau Cultural (2001-2003), que resultou na modernização do seu condicionamento e na elaboração do seu catálogo.