Paróquias celebram Pentecostes e reforçam a fé mesmo sem os costumes peculiares

Fotos: Thiago Morandi, Ariel Campos, Gabriel Simas, Fabíola Ribeiro e Paloma Nascimento.

Uma mistura de religiosidade, tradição e cultura. O Jubileu do Divino é celebrado em São João del-Rei desde 1774. Segunda maior festa da Paróquia Senhor Bom Jesus de Matosinhos, a data marca a unção do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus e a Virgem Maria. A ocasião é recordada anualmente sempre 50 dias após o Domingo de Páscoa.

Organizada pela Comissão do Divino (grupo criado com o intuito de organizar a festa junto à paróquia), a celebração novamente teve que ser realizada de forma tímida, com um número reduzido de fiéis e sem a movimentação folclórica tão costumeira na programação. Mas isso não impediu os fiéis de celebrar a festa com fé e prestar louvores à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade.

Na noite de sábado, 22, aconteceu a Vigília de Pentecostes. Conduzida pelo pároco do Santuário, padre José Bittar, a celebração contou com momentos fortes de oração e reflexão. Já no domingo, houve diversas missas na grade da paróquia. Dom José Eudes Nascimento, bispo diocesano de São João del-Rei, presidiu a Missa Solene.

Durante a homilia, Dom José Eudes falou sobre a beleza da festa e das tradições. “Esta festividade tão bonita, quando grupos de folias, de forma animada, se envolviam em volta da Bandeira do Divino. Hoje, diante da realidade atual, vemos os gestos de solidariedade. Tem aumentado o desemprego, a fome, mas a solidariedade também tem crescido. O que permanece em cada um de nós é o compromisso de colocar os nossos dons, os talentos que nós recebemos, a serviço das nossa Igreja. Precisamos deixar o Espírito Santo agir de verdade em nossa vida e fazer de nós pessoas novas”, pontua.

A Solenidade de Pentecostes é um fato marcante para toda a Igreja, para os povos, pois nela tem início a ação evangelizadora para que todas as nações e línguas tenham acesso ao Evangelho e à salvação mediante o poder do Espírito Santo de Deus. A vinda do Espírito Santo (narrada no livro dos Atos dos Apóstolos, capítulo 2) confirma a realidade da presença, poder e comunhão de Deus com o seu povo. Ele prometeu estar juntos daqueles que creem.

No centro histórico de São João del-Rei também houve a celebração. A festa que era realizada na pequena capela na Rua Maestro Batista Lopes foi migrada para o interior da Catedral Basílica Nossa Senhora do Pilar para poder acomodar um número maior de fiéis e, assim, cumprir as normas de prevenção ao Covid-19 sugeridas pelas Organizações Mundiais de Saúde (OMS). Na programação houve Vigília, missa e benção do Santíssimo Sacramento.

Foto: Marcos Luan

As tradicionalidades de pentecostes não se concentram apenas em São João del-Rei. No município de São Vicente de Minas, à 18 km de Andrelândia, as comemoração vem sendo realizadas há mais de 100 anos. “O Espírito Santo nos renova e nos permite comunicar através da língua do amor, que é universal. Ele age em nós e dá o dom da paz”, explica o pároco, padre Antão Roberto de Melo.

A festa religiosa é organizada por várias pessoas e famílias, além da participação do pároco da cidade. A cada ano a devoção ao Divino Espírito Santo faz com que a festa cresça muito em animação e participação, sendo referência nas manifestações de fé do povo sul-mineiro.

26 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).