Quem são os Vicentinos?

No dia de São Vicente de Paulo é impossível não recordar do trabalho missionário e compromisso de fé dos membros da Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP), uma organização formada por grupos de leigos católicos e voluntários que buscam ajudar os mais necessitados, promovendo a dignidade e integridade da pessoa, seguindo o exemplo do fundador e defensor da promoção humana, Antonio Frederico Ozanam.

As conferências vicentinas formam parte de uma comunidade de fé que contempla o Cristo no rosto do pobre, executando um serviço concreto e prático, em coordenação e amizade uns com os outros.

“Trabalhamos em prol dos mais necessitados, fazendo um acompanhamento com visitas semanais aos que nos pedem ajuda e realmente precisam. Nós, membros da SSVP, doamos nosso tempo, nossa paciência (pois é um trabalho lento, difícil, por vezes sacrificante), porém precisamos de pessoas que não podem doar seu tempo mas podem colaborar financeiramente, espiritualmente, materialmente e assim permitir que continuemos nosso trabalho”, pontua Arthur Castro, membro da Sociedade de São Vicente de Paulo em São João del-Rei.

E o trabalho agrega todos. “Todos são convidados a fazer parte dessa rede de caridade, de uma maneira ou de outra. Somos e devemos ser uma Igreja em saída, como nos diz o Papa Francisco. É hora de arregaçar as mangas, deixar o conforto e, de algum jeito, estender nossa mão, nosso abraço, nosso apoio a quem mais precisa”.

Hoje, a SSVP está presente em 150 países, nos cinco continentes, e conta com mais de 800 mil membros. Os vicentinos fazem do sonho do beato Ozanam, que é abraçar o mundo em numa rede de caridade, uma realidade que alivia o sofrimento dos pobres e incentiva a promoção da dignidade humana. A missão da SSVP é minimizar a miséria dos que vivem em situação de risco social, colocando em prática os ensinamentos de Cristo e da Igreja Católica.

A base do trabalho vicentino é a interação direta e individual com aqueles que estão com necessidades, bem como as suas famílias, independentemente das suas origens ou das suas crenças. Eles trabalham na promoção integral do assistido, orientando-o no plano material, mas muito mais no plano espiritual, para levá-lo a participação no Reino de Deus.

Os membros se reúnem semanalmente em conferências para debater e sugerir maneiras de atender a essas famílias carentes, que são cadastradas após sindicância socioeconômicas. Todas as ações são fundamentadas e pautadas em um livreto, a Regra.

Há 150 anos no Brasil, o país concentra o maior número de vicentinos no planeta, com cerca de 100 mil membros, espalhados por 20 mil conferências. Semanalmente a instituição distribui mais de 800 mil quilos de alimentos, arrecadados por meio de campanhas junto aos colaboradores, além de remédios, roupas, materiais escolares e utensílios diversos. Estima-se que 200 mil famílias sejam atendidas pelo movimento. (Dados: a12.com)

Procure sua paróquia e conheça o trabalho dos vicentinos!