Solenidade da Ascensão do Senhor

Mt 28,16-20

ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo

A Solenidade da Ascensão do Senhor, no Brasil, é transferida para o domingo. Por causa desta transferência não lemos o Evangelho do 7º Domingo do Tempo Pascal. No excerto bíblico proposto lemos Mt 28,16-20.

Na Solenidade da Ascenção “recordamos e celebramos aquele dia em que a humildade da nossa natureza foi exaltada, em Cristo, acima de toda a milícia celeste, sobre todas as hierarquias dos anjos, para além da sublimidade de todas as potestades, e associada ao trono de Deus Pai.” São Leão Magno, papa (Sermo 2 de Ascensione, 1-4: PL 54, 397-399)

Estamos lendo um texto que nos coloca na Galileia, após a ressurreição de Jesus. De acordo com o primeiro evangelho, Jesus havia marcado encontro com os discípulos na Galileia (cf. Mt 26,32); na manhã da Páscoa, os anjos que apareceram às mulheres no sepulcro (cf. Mt 28,7) e o próprio Jesus, vivo e ressuscitado (cf. Mt 28,10), renovam o convite para que os discípulos se dirijam à Galileia, a fim de, lá encontrar o Senhor.

O texto do evangelho aborda três questões importantes que estão interligadas. A primeira, diz respeito a uma autoproclamação: Jesus declara solenemente que Deus lhe deu poder e autoridade. A segunda é uma ordem dada aos apóstolos e diz respeito a missão da Igreja no mundo. A terceira é uma promessa de não deixar a comunidade abandonada.

No primeiro ponto Jesus proclama ter poder e autoridade. Nos momentos derradeiros muitos duvidaram de Jesus, agora Jesus é o Senhor, que possui todo o poder sobre o mundo e sobre a história. Jesus é o mestre, cujo ensinamento será sempre o norte para os discípulos.

O segundo ponto trata do mandamento dado por Jesus que consiste no mandato missionário dado por Jesus. A Igreja de Cristo é uma comunidade missionária, que tem a missão de testemunhar no mundo a proposta de salvação oportunizada por Jesus. A missão dos discípulos destina-se a todas as nações. E consiste em ensinar e batizar.

O terceiro ponto trata da promessa, na qual, Jesus diz não abandonar a comunidade. Essa afirmação é uma convicção de fé da Igreja, pois acreditamos que Jesus ressuscitado estará sempre com a sua Igreja, acompanhando a comunidade dos discípulos na sua marcha pela história, ajudando-a a superar as crises e as dificuldades da caminhada.

Este evangelho é carregado de um conteúdo Cristológico (diz respeito a Cristo) e Eclesiológico (diz respeito a Igreja). Jesus parte para o Pai, mas continua a sua obra na Igreja. Devemos tomar consciência de que a Igreja, a comunidade dos discípulos de Jesus, a qual fazemos parte, é hoje, a presença salvadora de Jesus no meio da humanidade, por isso devemos buscar testemunhar a Cristo em nossas vidas todos os dias.

Fontes:

www.dehonianos.org

BARBAGLIO, G.; FABRIS, R.; MAGGIONI, B. Os Evangelhos I.  São Paulo: Loyola. 1990

25 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).