Solenidade de Pentecostes

 “A PAZ ESTEJA CONVOSCO. COMO O PAI ME ENVIOU, TAMBÉM EU VOS ENVIO”

No Evangelho do domingo passado, lemos: “Eu enviarei sobre vós aquele que meu Pai prometeu” (Lc 24,49). Na celebração de pentecostes temos a realização desta promessa e somos convidados a nos alegrarmos com essa realização.

A perícope do evangelho é retirada de Jo 20,19-23, o mesmo evangelho lido no domingo da Páscoa. A narrativa descreve que, em um Domingo à noite, a comunidade está reunida em um lugar fechado e com medo. A cena é de completa desolação, pois a comunidade se encontra desamparada em um ambiente hostil.

Jesus aparece no meio deles e diz: “a paz esteja convosco”. A paz é um dom messiânico e significa a transmissão da serenidade, da tranquilidade, da confiança que permitirão aos discípulos superar o medo e a insegurança. Outro gesto de Cristo é mostrar aos apóstolos os sinais da paixão, mostrando assim que o ressuscitado e o crucificado são a mesma pessoa: Jesus.

Jesus confere aos discípulos uma missão: “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (v. 21). Em seguida, sopra sobre eles e diz: “Recebei o Espírito Santo” (v. 22). O gesto de Jesus de soprar sobre os discípulos reproduz o gesto de Deus no Gênesis ao comunicar a vida ao homem. Em Gn 2,7 Deus sopra sobre boneco feito de barro e o homem tornou-se um ser vivente. No evangelho, ao soprar, Jesus transmite aos discípulos a vida nova e faz nascer uma humanidade renovada.

Após enviar o Espírito Jesus mostra qual deve ser a missão da Igreja ali reunida: perdoar pecados (v. 23). A missão dos discípulos é dar continuidade a obra de Jesus que passou fazendo o bem.