Tradição secular, Ofício de Trevas será realizado em SJDR com adaptações devido à pandemia

Fotografia de Junior Viegas

Uma tradição secular da Igreja Católica será realizada nesta quarta-feira, 31, na Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, em São João del-Rei. O Ofício de Trevas, que este ano, devido a pandemia, será início às 17h30, marca a Semana Santa na histórica cidade. O rito é rezado nos três dias que antecedem o Domingo da Ressurreição, e expressa através das orações, salmos, lamentações, leituras e responsórios, os sentimentos que envolvem Jesus Cristo na sua Paixão e Morte.

Suspenso na programação de 2020, o Ofício de Trevas neste ano será realizado de portas fechadas, sem a participação dos fiéis. Mas quem desejar acompanhar a celebração, pode fazer isso direto de casa, através da transmissão no Canal da Catedral do Pilar.

Preservado por mais de três séculos, o antigo Ofício Divino é todo entoado em latim e repleto de simbolismo e peculiaridades como a execução dos responsórios compostos por padre José Maria Xavier e que são alternados com o Coro Gregoriano.

Fotografia de Júnior Viegas

Muitas cidades têm buscado resgatar o Ofício que deixou de adentrar muitas programações pelo mundo após o Concílio Vaticano II e a reforma das normas da Igreja Católica. Diferentemente, São João del-Rei permaneceu no costumeiro rito, realizando-o três vezes em cada ano. “São João del-Rei conservou na sua totalidade os três ofícios: o primeiro realizado na Quarta-Feira Santa à noite. Os outros dois, chamados de Matinas e Laudes, ocorrem nas manhãs de Sexta-Feira da Paixão e Sábado Santo”, explica o sacerdote.

 “Luz et Tenebrae: A luz do Ofício de Trevas”

Para manter a tradição viva, destacar a memória, possibilitar o entendimento e a propagação, além de mostrar a valorização cultural que atravessa diferentes gerações, foi lançado em 2020 o documentário “Luz et Tenebrae: A luz do Ofício de Trevas” que apresenta passo a passo da celebração com sua peculiaridade e preservação histórica.

A produção audiovisual, produzida e dirigida por Lucas Silveira, é ancorada numa narrativa de pessoas diretamente envolvidas com a cerimônia: o padre, o regente da orquestra, o regente dos coroinhas e o comentarista sacro. Relatos que apresentam vidas, mesclam com a originalidade e a valorização do costume por parte da comunidade.

26 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).