XVIII Domingo do Tempo Comum

Ev Lc 12, 13-21

“Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, pois a vida de um homem não consiste na abundância de bens.” (Lc 12, 15)

No evangelho de hoje, como também no ensinamento da primeira leitura no livro do Eclesiastes, temos uma direção muito importante para nossa vida: em contraste com a realização através das riquezas e de bens materiais, devemos ser ricos aos olhos de Deus. A vida não depende do poder aquisitivo, mas do modo como se aplica aquilo que recebemos pelo trabalho digno ou por heranças recebidas. As riquezas não são um mal em si, mas desviam a nossa atenção da verdadeira riqueza que é a amizade com Deus.

No ensinamento da Palavra do Evangelho deste domingo Jesus fala sobre o risco que podemos correr ao acumular muitos bens. A ganância, o desejo de posse nos prende mais do que imaginamos! Quanto mais possuímos, mais escravos nós nos tornamos das coisas e dos bens materiais. Mas, se não cuidarmos, também poderemos querer nos apropriar de nossas opiniões, do nosso saber e assim nossas atitudes podem nos levar ao autoritarismo e à prepotência. Por causa disto é sempre necessário ter a coragem de sermos desprendidos, despojados e evitarmos todas as tentações do acúmulo daquilo que possa ser nosso desejo.

Diante da Palavra de Deus fica assim para nós a necessidade de estarmos atentos a não nos tornarmos materialistas ou escravos do dinheiro. O evangelho nos ensina a rever os critérios de nossa vida. Precisamos acreditar que nossa existência é diferente daquilo que o materialismo nos propõe. Corressuscitados com Cristo, procuremos as coisas do alto, o que é de valor definitivo junto a Deus, na glória que há de se manifestar um dia. Então em Deus teremos a recompensa eterna.

D. Célio de Oliveira Goulart – Bispo Diocesano

24 anos. Natural de São João del-Rei. Secretário de Comunicação da Diocese de São João del-Rei, trabalhando no DEDICOM (Departamento Diocesano de Comunicação). Cursa Comunicação Social/Jornalismo na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ).