33º Domingo do Tempo Comum

Lc 21,5-19

 “Porque eu vos darei palavras tão acertadas, que nenhum dos inimigos vos poderá resistir ou rebater”

O evangelho do 33º domingo do Tempo Comum é retirado de Lc 21,5-19 e temos nele um discurso escatológico em que Jesus fala sobre o fim dos tempos. Na sua pregação, Jesus fala de 3 momentos importantes da história: a destruição de Jerusalém, o tempo em que a Igreja realiza a sua missão e a vinda do filho do homem.

Nos vv. 5-6 Jesus fala da destruição de Jerusalém e do Templo. Jerusalém, segundo a teologia judaica, é o lugar onde irrompe a salvação divina. Jerusalém não aceitou a salvação que Jesus veio trazer. A destruição da cidade e do Templo significa que Jerusalém deixou de ser o lugar exclusivo e definitivo da salvação. A Boa Nova de Jesus vai, portanto, deixar Jerusalém e partir ao encontro de todos os povos. Note bem que esse fato realmente acontece, pois no ano 70 d.C. Jerusalém é destruída por Roma.

Nos vv. 7-19 temos uma fala a respeito do tempo da missão da Igreja. Quando Jerusalém é destruída em 70 d. C. o Cristianismo já se havia espalhado por diversas partes do Império Romano. Jesus adverte para que essa catástrofe que é a destruição da cidade santa não seja entendida como o fim. Jesus chama a atenção dos cristãos para não viverem obcecados com o fim. Os discípulos de Jesus devem preocupar-se em viver uma vida cristã cada vez mais comprometida com a transformação do mundo.

Em seu discurso, Jesus, adverte os discípulos a respeito das dificuldades que marcarão a vida da Igreja até que Ele venha. Cristo diz que os seus seguidores não estarão a sós, pois Deus estará sempre presente; será com a força de Deus que eles enfrentarão os adversários e que resistirão à tortura, à prisão e à morte; será com o auxílio de Deus que a Igreja poderá resistir às dores e aos sofrimentos. Essa palavra do evangelho que foi dita outrora serve para agora, pois os cristãos continuam sendo perseguidos. Que possamos com o auxílio divino continuar a anunciar Cristo Crucificado.