Por que cobrir as imagens sacras no fim da Quaresma e na Semana Santa?

Acho que você já deve ter reparado que depois do 4º Domingo da Quaresma as imagens dos santos que ficam dentro da igreja, são retiradas ou cobertas (em alguns lugares isso acontece apenas no período da Semana Santa). Mas você sabe porque isso acontece?

Este é um costume muito antigo da igreja católica, de cobrir as imagens dos santos com panos roxos no quinto domingo da quaresma. Esta ação significa que a igreja está enlutada pelo sofrimento de Jesus e nos leva de forma profunda a uma reflexão sobre este tempo vivido pela igreja católica. Ao contemplar estes objetos sagrados cobertos do roxo, cor símbolo da reflexão e penitência.

Esse gesto se intensifica na Quinta-Feira Santa, quando são retiradas todas as toalhas do altar, e a cruz coberta nos lembra a humilhação que Jesus Cristo passou ao ocultar-se para não ser apedrejado pelos judeus, como relatado no Evangelho de João:

“Os judeus pegaram pela segunda vez em pedras para o apedrejar. Disse-lhes Jesus: Tenho-vos mostrado muitas obras boas da parte de meu Pai. Por qual dessas obras me apedrejais? (…). Procuraram então prendê-lo, mas ele se esquivou das suas mãos. Ele se retirou novamente para além do Jordão, para o lugar onde João começara a batizar, e lá permaneceu.” (Jo 10, 31-32.39-40).

Porém na Sexta-feira Santa se abre uma exceção. A imagem do Cristo Crucificado é descoberta e dada aos fiéis para veneração, como forma de amor ao Cristo que se manifestou na Cruz para nos salvar.

Mas mais do que simplesmente cobrir as imagens ou velar, este tempo de silêncio e sobriedade deve ser para intensificar a vida do cristão em penitência, além de meditar sobre o amor Infinito de Jesus Cristo o qual “amando os seus que estavam no mundo os amou até o fim”(João 13, 1).